Operação Dubai: Polícia Federal volta a investigar formação de cartel em postos de gasolina no Distrito Federal

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

6 de maio de 2016

A Polícia Federal deflagrou hoje (6) a segunda fase da Operação Dubai, que investiga a combinação de preços envolvendo cinco redes de postos de combustíveis do Distrito Federal. O inquérito é conduzido em parceria com o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MP-DFT) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Foram levados coercitivamente para prestar depoimentos na Superintendência da Polícia Federal em Brasília dois executivos das redes de combustíveis Original e Auto Shopping, além de dois funcionários das mesmas redes. Outros quatro mandados de busca e apreensão foram cumpridos nesta sexta-feira (6), todos em residências nas quais os policiais recolheram computadores e documentos.

O objetivo foi colher provas sobre a disputa de preços entre dois postos em uma avenida de Ceilândia, no entorno de Brasília. Segundo a PF, empresários de redes maiores teriam intermediado um acordo para eliminar a concorrência e alinhar os preços desses postos aos praticados no restante do DF. À época, em meados de 2015, eram cobrados R$ 3,79 por litro de gasolina.

Cartel

Ao todo, mais de 30 pessoas devem ser indiciadas em breve pelo MP-DFT por formação de cartel e participação em organização criminosa, o que pode resultar em penas que, somadas, chegam a 13 anos de prisão. Além de proprietários e executivos das redes envolvidas, o presidente do sindicato de postos de combustíveis local (Sindicombustíveis-DF) também está ligado ao esquema, de acordo com os procuradores.

Na primeira fase da Operação Dubai, realizada em novembro, sete pessoas haviam sido presas. Em janeiro deste ano, o Cade interveio na maior rede de combustíveis do DF, a Cascol, com bandeira BR Distribuidora. Um gestor interventor foi nomeado e foi assinado um termo de ajustamento de condunta junto ao Ministério Público.

“Esse conjunto de medidas, a meu ver, conseguiu dar um choque grande no mercado aqui no Distrito Federal. A gente já pode ver que houve mudanças substanciais aqui no DF. Hoje a gente já vê uma variação de preços entre postos e regiões”, avaliou o superintendente-geral do Cade, Eduardo Frade, em entrevista nesta sexta-feira (6). “A gente já começa a ver pequenas guerras de preços locais.”

Preços

De acordo com o monitoramento feito pelo Cade, os preços do litro da gasolina nos postos do DF caíram de aproximadamente R$ 4,00 no início do ano para em torno de R$ 3,60, em decorrência da operação. “Há locais onde chegam até a R$ 3,49”, acrescentou Frade.

Alegando que isso poderia prejudicar as investigações, os procuradores e delegados responsáveis pelo caso não quiseram revelar se a combinação de preços persistiu após o início do inquérito.

A Agência Brasil tentou contato com as redes de postos Original e Auto Shopping, mas ninguém atendeu aos telefonemas da reportagem até o início da tarde.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati