ONU expressa preocupação com protestos no Irã

23 de novembro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

As Nações Unidas criticaram na terça-feira o Irã pela repressão aos protestos que foram desencadeados pela morte de uma mulher curda de 22 anos sob custódia da polícia moral do país.

Mais de 300 pessoas, incluindo cerca de 40 crianças, foram mortas durante dois meses de protestos, muitas vezes em confrontos de rua em todo o país. O Irã disse que 46 membros de suas forças de segurança foram mortos, mas o governo não forneceu mais informações sobre o número de mortos.

"O chefe de direitos humanos da ONU, Volker Tuerk, diz que o número crescente de mortes em protestos no Irã, incluindo as de duas crianças no fim de semana, e o endurecimento da resposta das forças de segurança, destacam a situação crítica no país", disse o porta-voz Jeremy Laurence aos repórteres em Genebra.

“Instamos as autoridades a atender às demandas das pessoas por igualdade, dignidade e direitos, em vez de usar força desnecessária ou desproporcional para reprimir os protestos”, disse ele. "A falta de responsabilidade pelas graves violações dos direitos humanos no Irã continua persistente e está contribuindo para as crescentes queixas."

Teerã culpou inimigos estrangeiros por incitar os protestos. A seleção de futebol do Irã, em uma demonstração de apoio aos manifestantes, se recusou a cantar o hino nacional do país no início de sua primeira partida na Copa do Mundo no Catar na segunda-feira.

Os protestos começaram logo após a morte, em meados de setembro, de Mahsa Amini, que as autoridades iranianas atribuíram a um ataque cardíaco. Ela havia sido detida por supostamente não cobrir adequadamente o cabelo com um hijab. A família de Amini diz que ela não tinha histórico de problemas cardíacos.

No final desta semana, o Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra está realizando um debate sobre os protestos aos quais testemunhas e vítimas devem comparecer. Uma proposta a ser discutida na sessão buscaria estabelecer uma missão de apuração de fatos sobre a repressão policial.

O porta-voz da ONU, Laurence, disse: “Um número significativo de forças de segurança também foi mobilizado nos últimos dias. Durante a noite, recebemos relatos de forças de segurança respondendo com força a protestos em várias cidades principalmente curdas, incluindo Javanrud e Saqqez."

Desde o início, disse ele, "manifestantes foram mortos em 25 das 31 províncias do Irã, incluindo mais de 100 no Sistão e no Baluchistão".

Laurence expressou preocupação especial com "a aparente recusa das autoridades em entregar os corpos dos mortos para suas famílias ou condicionar a liberação de seus corpos a famílias que não falassem com a mídia ou concordassem em dar uma falsa narrativa sobre a causa da morte."

Ele também criticou o governo pelas milhares de pessoas "detidas em todo o país por se juntarem a protestos", dizendo que um número crescente de celebridades iranianas e astros do esporte que expressaram apoio aos protestos foram convocados e presos.

"Pedimos às autoridades que libertem todos os detidos em relação ao exercício de seus direitos... e retirem as acusações contra eles", disse Laurence.

Fontes