ONU e agências de ajuda apelam por US$ 1,2 bilhão para refugiados do Sudão do Sul

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

19 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A Agência da ONU para Refugiados, o ACNUR e 102 agências humanitárias e de desenvolvimento estão pedindo US$ 1,2 bilhão para ajudar 2,3 milhões de refugiados e comunidades sul-sudanesas que os abrigam em cinco países.

Quase 4 milhões de sul-sudaneses fugiram de quase uma década de guerra civil e de um acordo de paz que ainda não se concretizou, e ainda estão naquele país ou se tornaram refugiados em países vizinhos.

A crise dos refugiados do Sudão do Sul é a maior da África e a resposta a ela é uma das operações humanitárias menos financiadas. Estima-se que 2,3 milhões de pessoas fugiram para a República Democrática do Congo, Etiópia, Quênia, Sudão e Uganda.

Ao elogiar sua generosidade, o porta-voz da ONU para refugiados Matthew Saltmarsh diz que esses países são pobres, sofrem de muitos dos mesmos problemas que o Sudão do Sul e não têm condições de cuidar das massas de refugiados empobrecidos.

“O Sudão do Sul continua a lidar com violência esporádica, insegurança alimentar crônica e o impacto devastador de grandes inundações. A pandemia de COVID-19 também exauriu os recursos das pessoas. |…] Os países de asilo estão enfrentando desafios semelhantes da crise climática e da pandemia, mas continuam mantendo suas portas abertas para os refugiados”, disse ele.

Saltmarsh diz que os países anfitriões precisam de apoio para fornecer comida, abrigo e serviços essenciais, como educação e saúde.

As Nações Unidas dizem que mulheres e meninas no Sudão do Sul estão sujeitas a violência de gênero, estupro e violência sexual relacionada a conflitos. Saltmarsh diz que o ACNUR e seus parceiros ampliarão os programas para prevenir e responder à violência de gênero. Eles fornecerão saúde mental e apoio psicossocial às vítimas de abuso.

“Isso segue um aumento preocupante nos relatos de depressão no ano passado, especialmente entre refugiados no Quênia e Uganda. Continua, é claro, como você sabe, uma crise infantil, com 2 em cada 3 refugiados sul-sudaneses menores de 18 anos. É necessário financiamento para a proteção infantil, inclusive para garantir o registro de nascimento adequado e a reunificação familiar”, disse ele.

Saltmarsh reconhece que a competição por recursos escassos é feroz. Ele observa que o foco internacional e a resposta à guerra na Ucrânia são esmagadores. Ele diz que é apropriado, dada a enormidade da crise. No entanto, ele diz que a situação dos refugiados do Sudão do Sul não deve ser esquecida.

Fontes