Nos Estados Unidos, estudo indica que cerca de 20% das pessoas pode ter uma doença sexualmente transmissível

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

9 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Novos dados publicados pelo CDC (Centros para Controle e Prevenção de Doenças) estimam que em qualquer dia de 2018, 1 em cada 5 pessoas (20%, portanto) nos Estados Unidos (EU) teve uma doença/infecção sexualmente transmissível (DST). As análises, publicadas na revista Sexually Transmitted Diseasesexterna, mostram também a carga de DSTs diagnosticadas e não diagnosticadas nos EU e os custos médicos estimados associados a estas doenças.

Estima-se que houve:

  • Quase 68 milhões de DSTs em um determinado dia em 2018 (DSTs predominantes);
  • 26 milhões de DSTs recém-adquiridas em 2018 (DSTs incidentes);
  • Quase um em cada dois casos de IST foi adquirido por pessoas com idades entre 15 e 24 anos;
  • O tratamento das DSTs adquiridas em 2018 gera US$ 16 bilhões em custos médicos diretos ao longo da vida.

“O fardo das DSTs é impressionante”, disse o médico Jonathan Mermin, diretor do Centro Nacional do CDC para HIV/AIDS, Hepatite Viral, DST e Prevenção de TB. “Em um momento em que as DSTs estão em alta, elas saíram do debate nacional. Ainda assim, as DSTs, evitáveis e tratáveis, são uma ameaça nacional à saúde, com impacto pessoal e econômico substancial. Há uma necessidade urgente de reverter a tendência de aumento de DSTs, especialmente após a pandemia de covid-19, que afetou muitos os serviços de prevenção de destas doenças”.

As DSTs podem ter consequências graves para a saúde. Pessoas com essas infecções nem sempre apresentam sintomas das doenças, mas, se não tratadas, algumas DSTs podem aumentar o risco de infecção por HIV ou podem causar dor pélvica crônica, doença inflamatória pélvica, infertilidade e complicações durante a gravidez. Algumas também podem contaminar os recém-nascidos.

As DSTs custam ao sistema de saúde dos EUA bilhões de dólares anualmente

As infecções por HIV e HPV adquiridas em 2018 foram as DSTs mais caras na nova análise do CDC, pois os custos médicos dessas infecções incluem tratamento vitalício para pessoas com HIV e tratamento para cânceres relacionados ao HPV. Outras DSTs notificáveis, incluindo clamídia, gonorreia e sífilis, também têm custos médicos substanciais.

Dos US $ 16 bilhões estimados em custos médicos vitalícios de DSTs adquiridos em 2018:

  • A maior parte (US$ 13,7 bilhões) de todos os custos foram atribuídos a infecções por HIV adquiridas sexualmente;
  • US$ 755 milhões foram gastos com tratamento de infecções por HPV;
  • Mais de US$ 1 bilhão foram investidos no tatamento da clamídia, gonorréia e sífilis combinadas;
  • Cerca de 60% desses custos combinados de clamídia, gonorréia e sífilis ocorreram entre jovens de 15 a 24 anos;
  • Quase 75% dos US$ 2,2 bilhões em custos médicos para DSTs não relacionados ao HIV foram entre mulheres.

O custo total das DSTs excede em muito a carga de custos médicos estimada neste estudo, que não incluiu custos associados à perda de produtividade, outros custos não médicos e prevenção destas doenças.

“A prevenção comprovada de DSTs - em todos os níveis - é a base da proteção da saúde, segurança econômica e bem-estar da América”, disse Raul Romaguera, diretor interino da Divisão de Prevenção de DST do CDC. “Existem custos humanos e financeiros significativos associados a essas infecções e sabemos por outros estudos que os cortes nos esforços de prevenção de DSTs resultam em custos mais altos no futuro. A prevenção de DSTs poderia economizar bilhões em custos médicos, mas, mais importante, a prevenção melhoraria a saúde e a vida de milhões de pessoas".

Foco na prevenção de DST nas pessoas mais afetadas e na necessidade de melhores dados

A covid-19 destacou os efeitos subjacentes da saúde sistêmica e das iniquidades sociais que colocam grupos de minorias raciais e étnicas e outras populações em maior risco de infecção. Da mesma forma, existe uma carga desproporcional contínua de DSTs entre certos grupos raciais e étnicos; entre os jovens entre 15 e 24 anos, que representavam quase metade de todas as novas DSTs em 2018; e entre as mulheres, que respondem por uma carga desproporcional de resultados de DSTs graves e custos médicos.

As novas estimativas do CDC são críticas para uma melhor compreensão do escopo das DSTs nos EU. No entanto, as descobertas também destacam lacunas na literatura científica e a necessidade contínua de mais dados. Isso inclui a necessidade de estimativas de triagem de DSTa com base na população para fornecer uma imagem melhor de DSTs diagnosticadas e não diagnosticadas em grupos desproporcionalmente afetados, incluindo alguns grupos de minorias raciais/étnicas e pessoas que são lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros ou homossexuais.

Estratégias inovadoras essenciais para enfrentar a epidemia de DST

Em um momento em que a pandemia covid está exacerbando as disparidades raciais e étnicas na saúde, sobrecarregando a infraestrutura de saúde pública e criando desafios adicionais para a prestação de serviços de saúde, novas estratégias para aumentar o acesso à saúde sexual de qualidade são críticas. As estratégias usadas para superar as barreiras associadas à pandemia covid têm o potencial de ajudar a reverter o aumento das DSTs. Exemplos incluem:

  • Clínicas expressas de DST que permitam testes e tratamento de DST sem um exame clínico completo;
  • Parcerias com farmácias e clínicas de saúde de varejo, que podem fornecer novos pontos de acesso para serviços de DST, como testes e tratamento no local;
  • Telessaúde/telemedicina, que pode garantir o acesso a prestadores de cuidados de saúde, apoiar o autoteste ou a autocoleta, e é especialmente necessária em áreas rurais.

Fonte

Nota: em Web Site Disclaimers/Use of Agency Materials, o CDC avisa que "a maioria das informações nos sites do CDC e ATSDR não está sujeita a direitos autorais, é de domínio público e pode ser usada ou reproduzida livremente sem a obtenção de permissão de direitos autorais". Leia aqui.

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit