Noiva de Jamal Khashoggi promete buscar justiça após revés no tribunal

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

8 de abril de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A noiva do colunista do Washington Post, Jamal Khashoggi, prometeu na quinta-feira continuar lutando por justiça.

Seus comentários vieram quando um tribunal turco decidiu suspender o julgamento de 26 sauditas acusados ​​do assassinato e transferir o caso para a Arábia Saudita.

Khashoggi foi morto após uma visita ao consulado saudita em Istambul em outubro de 2018 para coletar os documentos necessários para se casar com Hatice Cengiz.

Falando a repórteres após a audiência de quinta-feira, Cengiz disse que apelaria o caso.

“Não vamos desistir só porque o processo judicial tomou tal decisão agora”, disse Cengiz. “Continuarei com o processo legal o máximo que puder.”

O julgamento começou em 2020, depois que a Arábia Saudita rejeitou os pedidos da Turquia para extraditar os réus.

Mas na semana passada, o ministro da Justiça da Turquia concordou com o pedido de um promotor para suspender o julgamento, com base no argumento de que a ausência de réus o obstruía. O ministro acrescentou que o julgamento pode voltar se a Turquia não ficar satisfeita com o resultado na Arábia Saudita.

Os mandados de prisão para os réus, incluindo dois assessores do príncipe herdeiro saudita, foram descartados.

O tribunal turco concedeu aos advogados sete dias para recorrer.

Em um julgamento separado, um tribunal saudita em 2019 condenou oito pessoas em conexão com o assassinato, mas não as identificou. O julgamento foi visto amplamente pela comunidade internacional como uma farsa.

Gokmen Baspinar, advogado de Cengiz, disse ao tribunal turco que muitos réus no caso saudita foram absolvidos.

“Apresentamos uma ação em Ancara contra a opinião do Ministério da Justiça. Há um pedido de suspensão da execução e devemos aguardar o resultado”, acrescentou Baspinar.

A Turquia e a Arábia Saudita não têm um tratado de assistência jurídica mútua, então o caso Khashoggi será a primeira transferência de um caso legal, disse Baspinar.

Fontes