No Rio, mais de 56 mil cadastrados no Bolsa Família devem atualizar dados

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

17 de novembro de 2014

Brasil

Mais de 56 mil famílias cadastradas no programa federal Bolsa Família podem ter o benefício bloqueado no Rio de Janeiro, se não atualizarem seus dados cadastrais até 12 de dezembro. O benefício será bloqueado e, após 60 dias, cancelado. Os beneficiários que receberam avisos no extrato de pagamento do programa, sobre a necessidade de atualizarem os dados, devem procurar a gestão do Bolsa Família do município.

Até outubro, 57,9% dos cerca de 97 mil beneficiários com cadastros desatualizados no estado do Rio ainda não tinham feito a revisão cadastral. Na capital fluminense, dos 39 mil beneficiários chamados para o recadastramento, 61,1% ainda não fizeram a atualização, o que corresponde a mais de 23,8 mil famílias. Em Macaé, norte fluminense, 83% das 648 famílias com pendências ainda não procuraram a prefeitura para o recadastramento.

Ao todo, 831.366 famílias no estado contam com o Bolsa Família. Do total, 228.534 estão na capital. A cada dois anos, o responsável pelo benefício precisa atualizar ou confirmar seus dados junto à prefeitura, para que continue recebendo o pagamento. A atualização cadastral é um dos mecanismos de controle do Bolsa Família para que qualquer alteração – como mudança de endereço ou de renda, localização da escola dos filhos etc. possa ser acompanhada pelo programa.

O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome começou a veicular na semana passada radionovelas em emissoras de rádio de dez capitais, entre elas o Rio de Janeiro, para reforçar o prazo da atualização cadastral. O Bolsa Família é um programa de transferência direta de renda que tem como foco de atuação os brasileiros com renda familiar per capita inferior a R$ 77 mensais e está baseado na garantia de renda, inclusão produtiva e no acesso aos serviços públicos.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati