Nicarágua: opções de oposição reduzidas para as eleições de 7 de novembro

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

20 de maio de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Em menos de uma semana, o cenário eleitoral na Nicarágua sofreu com a ausência de uma aliança eleitoral da oposição e, em seguida, o cancelamento abrupto da personalidade jurídica do Partido Democrático da Restauração , não deixando nenhuma caixa para a Coalizão Nacional, uma das os dois grandes blocos opostos.

As reações foram imediatas e o presidente do Partido da Restauração Democrática, Saturnino Cerrato, disse que a decisão do Conselho Eleitoral é estranha e ilegal. "Eles não nos chamaram para sermos ouvidos", disse ele.

“Entende-se que as pessoas físicas não podem contestar um partido político e, além disso, nem sequer são membros do partido, por isso a decisão é tão estranha”, acrescentou.

O desafio de alguns pastores evangélicos, que nem mesmo são membros do Partido Democrático da Restauração, foi a justificativa para que os novos magistrados decidissem cancelar a personalidade jurídica do PRD, por supostamente contradizer os princípios cristãos ao promover o aborto e o casamento igualitário.

No entanto, o analista político Bonifacio Miranda explicou que a decisão do Conselho Supremo Eleitoral não tem base legal e é contrária ao estado laico consagrado no artigo 14 da Constituição.

“É uma medida drástica e extemporânea da ditadura deixar as forças que ainda estão agrupadas na coalizão nacional sem veículo eleitoral, mas fundamentalmente é uma punição para a Unidade Nacional Azul e Branca”, argumentou.

Para Miranda, a liderança do PRD também foi punida por tentar abrir suas listas aos candidatos da Unidade Nacional Azul e Branca. Com um único golpe, o Conselho Eleitoral inibiu todos os candidatos da Unidade, deixando-os sem camarote, tirando de circulação o carro do PRD e fechando as possibilidades de participação nas eleições de novembro deste ano.

Mas, além disso, o Conselho Supremo Eleitoral cancelou a personalidade jurídica do Partido Conservador, o mais antigo da Nicarágua, devido à sua decisão de não participar das eleições de 7 de novembro, após considerar que não existem as condições necessárias para uma eleição verdadeira e democrática.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit