Nessa Quarta-feira (11), o YouTube está fora do ar, dizem usuários

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

11 de novembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Um dos sites e aplicativos mais acessado no mundo, YouTube ficou offline e caiu na noite de quarta-feira (11). De acordo com relatórios de usuários, a plataforma não carregará vídeos e, em alguns casos, exibirá uma mensagem indicando o erro 503. Embora a página inicial seja carregada, o clipe não é carregado. Os aplicativos da Smart TV também não funcionam.

Segundo o DownDetector, ferramenta que monitora serviços de rede, a falha começou por volta das 21h e afetou vários países, inclusive o Brasil. O site registrou mais de 280.000 reclamações e, na maioria dos casos, problemas para assistir a vídeos foram relatados no YouTube. Alguns usuários também relataram que não conseguiram enviar seus filmes para a plataforma. A plataforma anunciou via Twitter que está trabalhando para corrigir o erro, mas não prevê que o serviço volte ao normal.

Em alguns casos, o YouTube não carrega os vídeos. Em outros casos, ele exibe o código de erro 503, indicando um problema no servidor. Em qualquer caso, nestes casos, nada mais há do que esperar que o serviço volte ao normal. Como se trata de uma falha geral, operações como fechar o site e reiniciar o aplicativo não podem resolver o erro.

O site de notícias, TechTudo entrou em contato com a agência de consultoria do Google no Brasil, que devolveu a posição fornecida pelo YouTube no perfil "TeamYouTube" no Twitter. De acordo com a plataforma, a equipe está atenta aos problemas e está trabalhando muito para corrigi-los. Todas as atualizações do caso serão publicadas na conta em inglês.

No twitter, o perfil "TeamYouTube" afirmou uma hora depois da postagem anterior alegando o problema, que o problema foi resolvido, porém não afirmando o que causou esse problema.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com