Na Turquia, JIN News luta pelos direitos das mulheres e dos jornalistas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

23 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Agência VOA

No sudeste predominantemente curdo da Turquia, uma rede de notícias composta inteiramente por mulheres está liderando as reportagens sobre os direitos das mulheres. Mas, ao fazer isso, o JIN News se vê alvo da “guerra contra o terrorismo” do governo.

Fundado em 2017 sob o mantra “No caminho da verdade, com a caneta de uma mulher”, o JIN News afirma que seu objetivo é expor a exploração e a violência enfrentada pelas mulheres. "Estamos onde quer que as mulheres estejam", disse Gulsen Kocuk, editora do serviço turco JIN News, à VOA. “Reportamos, de certa forma, todos os aspectos de suas vidas, com o objetivo de tornar as mulheres visíveis, tornar visível o trabalho das mulheres e fornecer uma plataforma para expressar suas opiniões.

Com sede no sudeste predominantemente curdo da Turquia, o JIN News noticia tanto em turco quanto em curdo, com uma equipe de cerca de 20.

A agência tem escritórios em toda a região servindo sua página da web, que é financiada por assinaturas pessoais. A região em que o JIN está baseado é o centro de uma batalha de décadas entre o grupo separatista curdo PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão) e o estado turco, um conflito que o governo afirma ter ceifado mais de 40.000 vidas.

O PKK é designado pelos Estados Unidos e pela União Europeia como organização terrorista. Muitas das reportagens do JIN se concentram em alegados abusos dos direitos humanos pelas forças de segurança. Em outubro, dois de seus jornalistas divulgaram uma matéria que acusava soldados turcos de atirar de um helicóptero dois pastores, matando um e ferindo gravemente o outro.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit