NOAA prevê temporada de furacões acima do normal em 2022 no Atlântico Norte

28 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Os meteorologistas do Centro de Previsão Climática da NOAA, uma divisão do Serviço Nacional de Meteorologia, estão prevendo uma temporada de furacões acima da média este ano – o que significa que esta pode ser a sétima temporada consecutiva com uma quantidade de furacões acima da média. A perspectiva da NOAA para a temporada de furacões no Atlântico Norte de 2022, que se estende de 1º de junho a 30 de novembro, prevê 65% de chance de uma temporada acima do normal, 25% de chance de uma temporada quase normal e 10% de chance de uma temporada abaixo do normal.

Para a temporada de furacões de 2022, a NOAA está prevendo um intervalo provável de 14 a 21 tempestades nomeadas (ventos de 65km/h ou mais), dos quais 6 a 10 podem se tornar furacões, incluindo 3 a 6 furacões maiores (categoria 3, 4 ou 5). Os cientistas disseram que estes dados têm 70% de confiança.

O aumento da atividade previsto para esta temporada de furacões é atribuído a vários fatores climáticos, incluindo o La Niña, que provavelmente persistirá durante toda a temporada de furacões, temperaturas da superfície do mar mais quente do que a média no Oceano Atlântico e no Mar do Caribe, ventos alísios tropicais mais fracos no Atlântico e uma monção reforçada da África Ocidental. Uma monção da África Ocidental aprimorada suporta Ondas Orientais Africanas mais fortes, que semeiam muitos dos furacões mais fortes e duradouros durante a maioria das estações. A maneira como as mudanças climáticas afetam a força e a frequência dos ciclones tropicais é uma área contínua de estudo para os cientistas da NOAA.

“Enquanto refletimos sobre outra temporada de furacões potencialmente movimentada, tempestades passadas – como a supertempestade Sandy, que devastou a área metropolitana de Nova York dez anos atrás – nos lembram que o impacto de uma tempestade pode ser sentido por anos”, disse Rick Spinrad, administrador da NOAA. “Desde Sandy, a precisão das previsões da NOAA continuou a melhorar, permitindo-nos prever melhor os impactos de grandes furacões nas vidas e nos meios de subsistência", acrescentou.

Nomes

A lista de nomes deste ano começa com Alex, seguindo com Bonnie, até chegar a Walter. No total, 21 nomes estão relacionados e em caso de mais tempestades nomeadas ocorrerem, uma relação auxiliar será usada.

Referências

Notícias Relacionadas

Fonte