Número de consultas de pré-natal varia de acordo com raça, escolaridade e região

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

30 de outubro de 2014

Brasil

Dados do Ministério da Saúde mostram que o número de consultas de pré-natal varia de acordo com região do país, raça e escolaridade da mulher. Segundo a pesquisa Saúde Brasil, lançado hoje (29), em 2012 três de cada quatro bebês nascidos foram acompanhados no ventre da mãe com pelo menos seis consultas durante a gravidez, número preconizado pelo Ministério da Saúde.

Relacionando esse índice à região do país, no Sudeste e no Sul , 83% das mães fizeram seis consultas ou mais no pré-natal, enquanto no Norte, o número ficou em 57% e no Nordeste em 67%. Quando é por raça, entre as mães de pele branca, 85% reportaram que fizeram pelo menos seis consultas de pré-natal, enquanto entre as de pele parda ou preta, 70% reportaram o mesmo número de consultas. Entre as mães indígenas, 36,2% disseram que alcançaram seis consultas.

O acesso à atenção à saúde da mulher no período gestacional também é desigual, segundo a escolaridade da mãe. Quanto maior a escolaridade, maior o número de mães que alcançaram o índice de consultas previsto pelo Ministério da Saúde. Entre as mães com 12 anos ou mais de estudos, 90,3% fizeram pelo menos seis consultas no pré-natal. Entre as que tiveram até 3 anos de estudo, o índice cai para 55,8%.

Já no que ser refere ao tipo de parto, há uma tendência crescente de cesáreas em todas as regiões do país, entre 2000 e 2012. No Nordeste a proporção de partos cesáreos subiu de 25%, em 2000, para 48% em 2012. No Norte, o índice subiu de 27% para 45%, no Sudeste, de 46% para 61%, no Sul, de 42% para 62%, e no Centro-Oeste saiu de 43% para 61%. O índice nacional subiu de 38% para 56%.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati