Morrem 13 suspeitos em confronto da Polícia de SP com o crime organizado

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

27 de junho de 2006

São Paulo, Brasil

Segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, a Polícia Civil frustrou na manhã de segunda-feira (26) um suposto plano do Primeiro Comando da Capital (PCC) para assassinar agentes de segurança penitenciária do estado. Houve tiroteio durante a operação policial que ocorreu na Região do ABC e morreram 13 suspeitos. Outras cinco pessoas se entregaram e foram presas.

De acordo com as investigações da Polícia Civil de São Paulo, por meio de escuta telefônica, um grupo ligado ao crime organizado planejava há dias praticar atentados contra agentes penitenciários. Um dos alvos seria o Centro de Detenção Provisória (CDP) de São Bernardo do Campo. Por causa disso, policiais foram instruídos a vigiar o local.

Na parte da manhã da segunda-feira (26), quando o grupo de suspeitos chegou ao CDP de São Bernardo ele foi surpreendido pela forte presença policial. Os suspeitos começaram então a atirar. Nesse confronto morreram 12 homens e uma mulher. Cinco outras pessoas foram presas e quatro conseguiram fugir.

Um carro policial foi alvejado durante o tiroteio e um policial também foi atingido, porém ele não sofreu ferimentos porque estava com um colete à-prova-de-balas. Com exceção dos mortos ainda não identificados e de duas mulheres presas todos os suspeitos tinham antecedentes criminais. A maioria atuava no tráfico de drogas da região segundo o delegado seccional Marco Antônio Paula Santos.

"Acreditamos que esta ação criminosa visava produzir algum efeito na disciplina interna do sistema (penitenciário), que depois dos ataques ficou um pouco mais rigoroso", disse o delegado seccional.

Participaram da ação 70 policiais civis e foram apreendidas 15 armas de fogo: sete pistolas, sete revólveres, uma espingarda calibre 38. Também foram apreendidos seis automóveis que foram usados pelos suspeitos.

Fontes