Morre aos 82 anos, o poeta cabo-verdiano Corsino Fortes

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cabo Verde.
Portal Obituário
Outras notícias sobre obituário

Agência VOA

Poeta cabo-verdiano, diplomata e empresário, Corsino Fortes faleceu quatro dias depois do lançamento do seu último livro "Sinos de Silêncio: Canções e Haicais" e foi ator do livro Pão & Fonema. Mudou a temática da literatura das ilhas quando em 1974 lançou Pão & Fonema, cuja trilogia completou com Árvore & Tambor, em 1986 e Pedras de Sol & Substância, 2001.

24 de julho de 2015

Morreu hoje, na sexta-feira (24/7) o poeta Corsino Fortes, um dos mais consagrados escritores cabo-verdianos. O homem que mudou a temática da literatura das ilhas nas vésperas da Independência do país há 40 anos escolheu a sua terra natal, São Vicente.

Fortes faleceu depois de longos anos de luta contra cancro e de ter lançado novo livro menos de uma semana. No país, era conhecido por muitos críticos literários como o "príncipe do poeta" e "poeta maior de Cabo Verde".

Corsino António Fortes nasceu a 14 de Fevereiro de 1933 em São Vicente e cedo descobriu a poesia como forma de liberdade e de afirmação identitária.

Licenciou-se em Direito pela Universidade de Lisboa em 1966 e integrou a luta pela independência de Cabo Verde, na clandestinidade enquanto era juiz de direito em Benguela, Angola.

Em 1975 foi nomeado o primeiro embaixador de Cabo Verde em Portugal, de onde, anos depois, regressou a Cabo Verde para integrar o Governo como secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro Pedro Pires.

Mais tarde deixou a sua marca na comunicação social ao criar, em 1984, enquanto secretário de Estado.

Embaixador em Angola, Fortes regressou a Cabo Verde para integrar, como ministro da Justiça, o último Governo do PAICV na chamada I República, que terminou em 1991.

Corsino Fortes, foi presidente da Associação dos Escritores Cabo-verdianos e presidente da Academia Cabo-verdiana de Letras, desde a sua fundação em 2013. Também presidiu a Assembleia Geral da Fundação Amílcar Cabral e liderou a primeira empresa de seguros privada Ímpar.

Fortes publicou os primeiros poemas no Boletim dos Alunos do Liceu Gil Eanes, no Boletim de Cabo Verde e na revista Claridade.

Mas é em 1974, com a publicação de Pão & Fonema, que, segundo disse à VOA o antropólogo e escritor Manuel Brito-Semedo, Fortes assume-me como um inovador e muda a temática da poesia cabo-verdiana.

Árvore & Tambor (1986) e Pedras de Sol & Substância (2001) completam a trilogia “corsiniana”, com uma originalidade formal e artística que marcou a sua carreira. Foi então que, numa só obra, dá à estampa as criações anteriores em A Cabeça Calva de Deus.

Corsino Fortes foi em diversas ocasiões distinguido pela sua actividade político-diplomática, e recentemente recebeu uma distinção maior pela sua longa carreira longa carreira poética: o prémio literário 40º Aniversário de Independência de Cabo Verde.

A última obra daquele que muitos chamam “o príncipe da literatura” ou “o poeta maior” deu à estampa na passada terça-feira, 21, a sua última obra: “Sinos de silêncio: Canções e Haicais”.

Corsino Fortes não esteve presente na apresentação da obra na sua terra natal, São Vicente, por encontrar-se muito doente, embora estivesse na ilha.

Reações

Esta sexta-feira, 24, partiu, e as reacções não se fizeram esperar.

Num comunicado, a Academia Cabo-verdiana de Letras disse que “se a poesia é 'a guarda pretoriana dos sonhos', Corsino Fortes é, sem dúvida, um dos seus mais destacados servidores. Como sempre dizia, a cultura é como uma corrida de estafetas. Cada um vai passando o facho a quem vem a seguir. Corsino Fortes passa o facho a uma geração inteira!”.

Para o Presidente da República, Fortes era “um homem bom, poeta singular com lugar de destaque na literatura cabo-verdiana, poeta de pão e de fonema, foi meu professor de português no primeiro ano dos liceus, na Praia, ímpar, um amigo em todas as circunstâncias”.

Corsino Tolentino, diplomata, político e investigador, afirmou que Fortes era o seu poeta. "Corsino Fortes foi um patriota muito comprometido com o destino de Cabo Verde: deixa uma lacuna grande na sociedade cabo-verdiana, vamos divulgar a obra e o exemplo"

O encenador e actor João Branco, director do Centro Cultural Português de Mindelo considera que hoje é “um dia muito triste para Cabo Verde, para a sua cultura, para a sua literatura, é uma perda irreparável”.

"Os grandes poetas fazem uma obra redonda, completa, e Corsino Fortes terminou a dele a quatro dias da sua morte com Sinos de silêncio: canções e haicais", sintetizou o antropólogo cabo-verdiano Manuel Brito-Semedo sobre "o maior poeta épico das ilhas", nas palavras da escritora e vice-presidente da Academia Cabo-verdiana de Letras, Vera Duarte.

A influência de Corsino Fortes, no entanto, não se esgota na sua obra. A jornalista e poetisa Margarida Fontes, cujo primeiro livro de poemas De Lírios lançado no ano passado foi apresentado por Corsino Fortes, lembra o incentivo que o poeta sempre transmitiu às novas gerações e o seu legado.

Vera Duarte, Manuel Brito-Semedo e Margarida Fontes falaram do homem e poeta nesta edição especial de Artes & Entretenimento da VOA.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati