Morre aos 40 anos, o piloto de moto português Paulo Gonçalves

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Paulo Gonçalves em 2015.

20 Minutos

O português sofreu uma queda no quilómetro 276 da especial do dia.

12 de janeiro de 2020

A séptima etapa do rali (rally) Dakar 2020 foi marcada pela tragédia pelo acidente fatal do piloto português Paulo Gonçalves. O luso sofreu uma queda no quilômetro 276 do especial entre Riad e Wadi Al Dawasir, cujos ferimentos o levaram à morte. Esta é o comunicado da organização:

Paulo Gonçalves sofreu uma queda esta manhã no km 276 da secção cronometrada. A voz do alarme foi dado às 10h08 e o helicóptero médico enviado pelos organizadores que pousou às 10h16 ao lado do piloto, que estava inconsciente com parada respiratória. Após uma intensa reanimação no local do acidente, o piloto foi transportado em helicóptero ao hospital da LAYLA, onde foi confirmada a notícia fatal de seu falecimento.

Aos 40 anos de idade, Paulo Gonçalves disputava seu décimo terceiro Dakar. Desde seu primeiro contato com o rali em 2006, terminou em quatras ocasiões entre os dez primeiros e chegou a obter um magnífico 2º lugar atrás de [Marc] Coma em 2015. Campeão consagrado do mundial de off-road em 2013, ocupava a 46º posição na geral da edição 2020, no final da 6ª etapa.

As mais sinceras condolências de toda a caravana do Dakar para os familiares e entes queridos do piloto português.

Gonçalves era um dos pilotos mais queridos da carvana. Além de seus grandes resultados deportivos, seu carisma lhe fez dele um dos corredores mais famosos.

O luso é o últimos de uma longa lista de mortos na história do Dakar desde 1979, que já formam 64 mortes, dos quais 29 são os concorrentes e dentre eles, 21 em motos. O primeiro foi Patrick Dodin, na primeira edição do rali e o último foi Michal Hernik, em 2015, também com duas rodas. O período mais longo sem mortes foi entre 1998 e 2001, que este ano tentaria igualar.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com