Militares da Somália repelem ataque al-Shabab à base do Exército

7 de novembro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Os militares da Somália dizem que repeliram um ataque de militantes da Al-Shabab a uma base militar na região central de Galgaduud.

Autoridades locais no estado disseram que o ataque começou com um carro-bomba, seguido por duas horas de combate entre o Exército e militantes da Al-Shabab.

Falando à rádio controlada pelo governo somali, o coronel militar Hassan Jamici disse que o exército infligiu pesadas baixas a eles.

Ele diz que os militantes atacaram durante a oração da manhã e a vila está agora sob controle do exército. Ele diz que não foi uma escaramuça e que os militantes atacaram com todas as suas forças.

O ataque ocorre um dia depois que a Somália disse que matou 200 militantes da Al-Shabab em um período de quatro dias.

Moradores disseram que ouviram explosões e relataram vítimas em ambos os lados.

Os militantes aumentaram seus ataques desde que o presidente Hassan Sheikh Mohamud assumiu o cargo em maio e prometeu uma "guerra total" contra o al-Shabab. Especialistas acreditam que o grupo aumentou seus ataques porque sente que sua existência foi ameaçada.

Mohamed Husein Gaas, diretor do Raad Peace Research Institute, com sede em Mogadíscio, disse que a al-Shabab agora enfrenta a maior resistência já vista.

“Sempre que a al-Shabab sente que sua existência está ameaçada, intensifica seus ataques”, disse Gaas. “Desta vez, está enfrentando sua maior ameaça de revolta pública e ofensiva, já que o país e sua população estão determinados a acabar com a al-Shabab de uma vez por todas.”

Ele disse, no entanto, que uma estratégia multifacetada do exército para libertar o país da al-Shabab precisa ser calibrada e deve ser implementada de uma maneira que não prejudique a economia em dificuldades.

Al-Shabab tem lutado desde 2007. No final do mês passado, dois carros-bomba da al-Shabab na capital tiraram a vida de mais de 100 pessoas e feriram mais de 300 outras.

Fontes