Militar autor de massacre em Cabo Verde condenado a 35 anos de prisão

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ilha de Santiago, Cabo Verde.

Agência VOA

3 de novembro de 2016

Colectivo do Tribunal Militar considerou Manuel Silva Ribeiro um "psicopata de grau grave".

O militar António Manuel Ribeiro, que confessou ter morto 11 pessoas num posto militar localizado a 45 quilómetros de Praia (capital de Cabo Verde), foi condenado nesta quinta-feira, 3, a 35 anos de prisão, a pena máxima no país.

Conhecido também por Antany, ele foi ainda condenado a uma pena acessória de expulsão das Forças Armadas e ao pagamento de uma indemnização de 11 milhões de escudos (110 mil dólares) às famílias das vítimas.

O militar, de 23 anos, confessou ter matado, em abril passado, oito militares e três civis, incluindo dois cidadãos espanhóis, no destacamento de Monte Txota, onde está o mais importante centro de comunicações do país.

O Tribunal Militar considerou Antany um “psicopata de grau grave”, não sendo isso uma “doença”, mas sim uma “condição com que se nasce e morre” e que não tem “tratamento”.

Na primeira sessão do julgamento no passado dia 26, o réu apenas respondeu às perguntas relativas à sua identificação, a que estava obrigado, e pediu desculpas ao país e às famílias das vítimas.

A defesa oficiosa pediu inicialmente ao colectivo de juízes que levasse em conta que António Manuel Ribeiro colaborou com a justiça ao confessar os crimes.

O advogado, no entanto, não disse se vai recorrer.

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati