Microsoft estaria em negociações para comprar TikTok

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

1 de agosto de 2020

O TikTok, um aplicativo de vídeos de propriedade de uma companhia chinesa que está sendo monitorado por alguns governos, está em negociações para ser vendido à Microsoft ou outra empresa, segundo uma fonte anônima citada pelo jornal The New York Times. O aplicativo está sujeito à ações duras nos Estados Unidos (EU), cujo governo está forçando o Tik Tok a se desvincular da empresa controladora, a ByteDance.

O poderoso Comitê de Investimentos Estrangeiros nos Estados Unidos, ou Cfius, está investigando a compra do Musical.ly, um aplicativo que acabou se transformando no TikTok, pela ByteDance em 2017. O comitê decidiu ordenar que a ByteDance se desfaça do TikTok e está acompanhando as negociações sobre os termos desta separação, de acordo a fonte, familiarizada com os planos do governo Trump. Autoridades da Casa Branca disseram que o TikTok pode representar uma ameaça à segurança nacional por ser de propriedade de uma empresa chinesa.

Na sexta-feira, o secretário do Tesouro Steven T. Mnuchin, que lidera o comitê, informou Trump sobre os planos, no entanto ainda não está claro o que o presidente dos EU fará, incluindo apenas as operações da TikTok nos EU seriam afetadas ou se também os negócios globais do aplicativo seriam atingidos.

Trump está avaliando vários outros cursos de ação, incluindo uma ordem que poderia se basear na Lei Internacional de Poderes Econômicos de Emergência, para barrar certos aplicativos estrangeiros nos EU. O governo Trump também está avaliando se impedirá a venda de produtos e serviços americanos sem uma licença especial, para evitar casos como o da venda do Musical.ly à ByteDance.

As discussões devem continuar nos próximos dias.

Fonte

Domínio Público Esta notícia é uma transcrição parcial ou total da PanARMENIAN.
Este texto pode ser utilizado desde que seja Atribuído corretamente aos autores e ao sítio oficial
.
Veja os termos de uso (copyright) na página da PanARMENIAN
Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com