Micheletti estuda se afastar do governo para garantir eleições tranquilas e Zelaya ameaça impugnar as eleições hondurenhas do próximo dia 29

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bandeira de Honduras
Outras notícias sobre Honduras


Agência Brasil

20 de novembro de 2009

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, fez ontem (19) mais um comunicado à população do país. Ele disse que vai impugnar legalmente as eleições do dia 29 de novembro em nome de milhares de hondurenhos e centenas de líderes e dirigentes da Frente de Resistência ao Golpe de Estado que estariam sofrendo repressão.

Zelaya afirmou que "não é possível haver eleições sob as atuais condições". Apoiadores do presidente deposto continuam mantendo a vigília em frente ao Congresso Nacional que só deverá manifestar-se sobre a sua possível restituição ao cargo no dia 2 de dezembro, depois, portanto, das eleições.

Do lado de fora da embaixada brasileira, onde o presidente Zelaya está abrigado com simpatizantes desde o dia 21 de setembro, representantes do governo deposto pelo golpe de Estado de 28 de junho, reforçam a campanha pelo boicote as eleições.

O presidente do governo golpista de Honduras, Roberto Micheletti, disse ontem (19) em cadeia de rádio e televisão que estuda se afastar do cargo entre os dias 25 de novembro e 3 de dezembro. A licença, segundo ele, serviria para deixar o povo hondurenho ir às urnas no dia 29 com mais traquilidade.

Micheletti disse que vai confirmar essa decisão nos próximos dias, depois de fazer mais consultas a sua equipe política. Ele afirmou ainda que a licença poderá ser suspensa, a qualquer momento, caso ocorra alguma ameaça grave ao processo eleitoral

O ministro de Economia do governo Zelaya, Nelson Avila, em entrevista à Agência Brasil, alertou hoje para a possibilidade de fraudes nas próximas eleições.

Avila afirmou que em Honduras, quando as eleições eram manuais, as fraudes foram comuns. "Faziam mortos votarem e mudavam os votos dos eleitores que moram no exterior, além de alterar as atas de votação por debaixo da mesa". E que mesmo agora com a entrada da tecnologia, elas podem voltar a acontecer, "porque isso já se deu em países mais organizados como os Estados Unidos e o México".

O ministro também não acredita que a presença de observadores internacionais que deverão acompanhar as eleições, a convite do governo golpista, possa significar a garantia de um pleito limpo.

Estão aptos para votar nas próximas eleições 4,5 milhões de eleitores. Em Honduras só se pode votar depois dos 18 anos e o voto não é obrigatório. Além do presidente, serão eleitos 128 deputados e 298 prefeitos. As forças armadas dizem que estão preparadas para garantir a segurança dos eleitores "antes, durante e depois do dia 29".

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati