Meteorologistas emitem alerta para ciclone de trajetória e força atípicas no sul das Américas; situação é de alto risco para a população

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

14 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O Sul das Américas - mais especificamente o sudeste da região - deve se preparar para a passagem de um ciclone subtropical, que a partir de amanhã causará vento forte e deixará o mar agitado entre as costas da Argentina, Uruguai e Santa Catarina, no Brasil. Há "potencial situação de alto risco meteorológico no Rio Grande do Sul e Santa Catarina entre a terça (17) e a quarta-feira (18)", alertou a MetSul Meteorologia em seu portal esta manhã. Na terça-feira, quando a previsão é que ele esteja mais próximo da costa ou mesmo tocando terra, os ventos devem passar de 100km/h.

Já no SNM da Argentina também emitiu um alerta para ventos muito intensos até quarta-feira, especialmente na costa da província de Buenos Aires, que abarca toda costa nordeste do país.

No entanto, a frente fria associada ao fenômeno atingirá uma área bem maior, causando, principalmente, chuva em locais mais centrais, inclusive no centro-norte da Argentina, centro do Uruguai e Centro-Oeste e Sudeste do Brasil, não se descartando chuvas também no sul do Nordeste brasileiro.

O ciclone subtropical em formação hoje (a sul): uma vasta frente fria associada cobre parte da Argentina, Uruguai e Sul do Brasil, provocando chuva
Ciclone atípico

Segundo o Inumet do Uruguai, o ciclone em formação é um ciclone extratropical que migrará para um ciclone subtropical, o que é um comportamento atípico nesta latitude. Além disto, segundo a Metsul, as previsões meteorológicas feitas em computadores indicam que ele tocará terra em algum lugar entre o Uruguai e Rio Grande do Sul, já que, de forma incomum, avançará mar adentro, para recurvar-se e seguir para o continente, antes de derradeiramente seguir para o Oceano Atlântico e depois se dissipar.

Outro ciclone subtropical que atingiu a região, no final de junho de 2021, foi o Raoni, que provocou ventos fortes e deixou o mar agitado, sendoi um dos primeiros de seu tipo (subtropical) a ser registrado nesta latitude nos últimos anos. Uma intensa nevasca também foi associada ao sistema.

O ciclone em formação ainda não recebeu nome e se for nomeado, quem o fará será a Marinha do Brasil, usando o próximo nome da lista: Yakecan.

Notícias Relacionada

Fontes