Marcelo Rebelo de Sousa candidata à Presidência de Portugal

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

9 de outubro de 2015

O ex-presidente do PSD e professor, Marcelo Rebelo de Sousa, formalizou esta sexta-feira na biblioteca de Celorico de Basto que leva o seu próprio nome, a sua candidatura à Presidência da República em Portugal. Depois de meses de indefinição, anunciou que, apesar de ter uma “vida realizada”, vai cumprir o “dever moral de pagar a Portugal o que Portugal me deu" e convida os portugueses a juntarem-se a “uma caminhada de cinco anos”, feita “por Portugal, com independência, sentido nacional, espírito de convergência e afeto”. Justificou sua candidatura com a necessidade de pagar a dívida que diz ter para com o país, pela educação, saúde e pelas oportunidades que, afirma, Portugal lhe deu.

É tempo de pagar esta dívida moral. De outro modo, sentiria até ao final dos meus dias o remorso por ter falhado por omissão. As portuguesas e os portugueses não podem dizer que fugi à prova do voto. Serei candidato à Presidência da República de Portugal. Pelas portuguesas e pelos portugueses. Os de ontem, os de hoje e de amanhã. Pelo Portugal de sempre.

Marcelo Rebelo de Sousa, ex-presidente do PSD

O potencial candidato afirma-se que é candidato, garante ter “a maior consideração” pelas candidaturas já anunciadas e que, pelo tabuleiro existente, tinha duas alternativas. Ou “faltava à chamada”, o que “menos punha em causa o que faço com entusiasmo”, ou “escolhia a solução que rompia com posições estáveis, sedutoras nesta fase da vida”.

No discurso de anúncio da candidatura, ele esqueceu a conturbada situação política que o país atravessa atualmente, na qual relembrou que permitiu, através da viabilização de três Orçamentos do Estado quando era líder da oposição, a vigência do Governo minoritário por quatro anos.

Considero essencial que haja, como nas democracias mais avançadas, convergências alargadas sobre aspetos fundamentais de regime [, tendo ainda defendido que] não há desenvolvimento, nem justiça ou mais igualdade [como governos curtos e] ingovernabilidade crónica. A estabilidade e a governabilidade têm de estar ao serviço do fim maior”, que Marcelo considera ser “o combate à pobreza, a luta contra as desigualdades e a afirmação da justiça social.

Marcelo Rebelo de Sousa

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati