Manifestação contra o governo Dilma bloqueia parte da Avenida Paulista

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de dezembro de 2014

Brasil

A manifestação organizada por movimentos contrários ao governo Dilma Rousseff bloqueia, na tarde de hoje (6), o sentido Rua da Consolação da Avenida Paulista, em São Paulo. De acordo com a Polícia Militar, 800 pessoas participam do protesto. O ato teve início após concentração no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), às 15h. Os manifestantes pretendem seguir em caminhada até a Praça Roosevelt, no centro da cidade.

Uma das frentes que articulam o protesto é o Vem pra Rua, que surgiu em junho deste ano. Rogério Chequer, organizador do Vem pra Rua, diz que o ato de hoje é contra a corrupção e a falta de ética dos políticos. “Somos contrários às ações do governo Dilma, que estão ligadas à corrupção, ao aparelhamento do Estado, à interferência entre os Poderes”, disse.

Chequer destacou que não apoia manifestações mais radicais, presentes no protesto, como as que pedem uma intervenção militar. “Somos totalmente contrários à intervenção militar, mas respeitamos outras manifestações. Nós defendemos a apuração total de irregularidades, punição dos condenados e um governo que tenha maior eficiência fiscal e administrativa, que não desperdiça o dinheiro do povo”.

O empresário Ronaldo Luís Ferreira, da liderança do movimento pela intervenção militar, defende que essa é a única saída para o país. “Queremos uma intervenção para tirar todos os políticos bandidos. E, depois, ter uma nova eleição e, assim, [eleger] aqueles que forem patriotas e não precisam ganhar salário para servir ao Brasil”, disse.

A Agência Brasil procurou a assessoria de imprensa do Palácio do Planalto que informou que por hora a Presidência da República não se manifestará sobre o assunto.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati