Médica diz que Coronavírus foi criado em laboratório chinês

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Imagem meramente ilustrativa.

16 de setembro de 2020

Uma nova pesquisa realizada pela virologista chinesa Li-Meng Yan, afirmou que o Coronavírus foi produzido em um laboratório em Wuhan controlado pelo Governo da China. Segundo ela, o Governo Chinês sabia antecipadamente do potencial de propagação do vírus. Em nota, o governo da China nega as informações.

As declarações foram dadas no dia 11 de setembro, durante uma entrevista ao programa britânico "Loose Woman". Li-Meng afirmou que há comprovação da origem do vírus no genoma do microrganismo. Li-Meng diz que vai publicar um artigo com as evidências científicas que comprovam essas alegações.

"A sequência do genoma é como a impressão digital humana. Com base nisto, pode reconhecer e identificar esta coisa. Assim, utilizei as provas existentes na sequência do genoma de Sars-CoV-2 para dizer às pessoas porque é que isto veio da China, porque é que eles são os únicos que o fizeram", explicou.

"Silêncio ou seria obrigada a desaparecer"

A explicação de Li-Meng é simples: "A sequência do genoma é como a impressão digital humana. Com base nisto, pode ser reconhecido e identificado. Assim, utilizei as provas existentes na sequência do genoma do Sars-CoV-2 para dizer às pessoas porque é que isto veio da China, porque é que eles são os únicos que o fizeram", garante ainda.

Li-Meng, que fez duas investigações sobre a Covid-19 na China, a primeira logo entre dezembro de 2019 e janeiro deste ano – e a segunda em meados de janeiro, insiste que este vírus foi resultado de uma experiência no Instituto Militar da China. São resultados que, assegura, partilhou com o supervisor, que é consultor da OMS – do qual esperava "a atitude correta". Para sua surpresa, foi aconselhada a manter o silêncio "ou então seria obrigada a desaparecer". E, como revela nessa mesma entrevista, feita de localização confidencial, foi quando fugir para os Estados Unidos.

Fontes[editar]

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com