Lula reafirma metas de redução de emissão de gases e diz que Brasil fala menos e faz mais

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Amazônia
Outras notícias sobre o meio-ambiente


Agência Brasil

27 de novembro de 2009

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reafirmou ontem (26) o compromisso do Brasil com a redução das emissões de gases de efeito estufa. Ao participar da inauguração do Gasoduto Urucu-Manaus, ele disse que o país levará para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), em dezembro, na Dinamarca, a proposta de diminuir entre 36,1% e 38,9% seu índice de emissões.

“Queremos mostrar aos nossos amigos americanos e europeus que a gente fala menos e faz mais. Aqui a gente mata a cobra e mostra a bichinha morta”, afirmou o presidente.

Na quarta-feira (25), a Casa Branca confirmou a ida do presidente Barack Obama à COP-15, daqui a duas semanas em Copenhague, e anunciou que a meta dos Estados Unidos é reduzir as emissões em 17% até 2020, podendo chegar a 83% em 2050. A China anunciou hoje o compromisso de reduzir até 2020 sua intensidade de emissões de carbono entre 40% e 45%.

Acompanhado pelos ministros Dilma Rousseff, chefe da Casa Civil, e Alfredo Nascimento, dos Transportes, Lula inaugurou o gasoduto, cujas obras levaram mais de três anos. A partir de agora, o gás natural que virá de Urucu, no município de Coari, começará a ser distribuído gradativamente para as sete usinas geradoras de energia no Amazonas, fazendo com que o estado deixe de usar óleos diesel e combustível e passe a consumir gás natural para gerar, sobretudo, a energia elétrica de que precisa.

O prazo para completar a mudança em todas as usinas do estado é setembro do próximo ano. O mercado não térmico, ou seja, o industrial, o comercial e o veicular, também será beneficiado.

Além disso, nos próximos anos, o preço das contas de luz deve baixar também para o consumidor. O valor das tarifas pode cair até 75%. A Petrobras, a Eletrobrás e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estão discutindo os novos preços com base no aumento da oferta do produto e nos serviços prestados aos consumidores. De acordo com a Petrobras, a reserva de gás a ser explorada no Amazonas é a segunda maior do país, perdendo apenas para a do Rio de janeiro.

Segundo a ministra Dilma Rousseff, o Gasoduto Urucu-Manaus representa uma prova de que é possível aliar desenvolvimento e respeito ao meio ambiente. Ela destacou o importante papel do gasoduto para o meio ambiente, já que será capaz de provocar, por parte do Brasil, a redução de 1,2 milhões toneladas de emissões de gás carbônico por ano.

“Essa redução é muito significativa. Até setembro do ano que vem, quando todas as termelétricas do Amazonas estiverem consumindo o gás natural, a Amazônia vai dar mais um exemplo de sustentabilidade para o mundo”, afirmou a ministra.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com