Lula reafirma metas de redução de emissão de gases e diz que Brasil fala menos e faz mais

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Amazônia
Outras notícias sobre o meio-ambiente


Agência Brasil

27 de novembro de 2009

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reafirmou ontem (26) o compromisso do Brasil com a redução das emissões de gases de efeito estufa. Ao participar da inauguração do Gasoduto Urucu-Manaus, ele disse que o país levará para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), em dezembro, na Dinamarca, a proposta de diminuir entre 36,1% e 38,9% seu índice de emissões.

“Queremos mostrar aos nossos amigos americanos e europeus que a gente fala menos e faz mais. Aqui a gente mata a cobra e mostra a bichinha morta”, afirmou o presidente.

Na quarta-feira (25), a Casa Branca confirmou a ida do presidente Barack Obama à COP-15, daqui a duas semanas em Copenhague, e anunciou que a meta dos Estados Unidos é reduzir as emissões em 17% até 2020, podendo chegar a 83% em 2050. A China anunciou hoje o compromisso de reduzir até 2020 sua intensidade de emissões de carbono entre 40% e 45%.

Acompanhado pelos ministros Dilma Rousseff, chefe da Casa Civil, e Alfredo Nascimento, dos Transportes, Lula inaugurou o gasoduto, cujas obras levaram mais de três anos. A partir de agora, o gás natural que virá de Urucu, no município de Coari, começará a ser distribuído gradativamente para as sete usinas geradoras de energia no Amazonas, fazendo com que o estado deixe de usar óleos diesel e combustível e passe a consumir gás natural para gerar, sobretudo, a energia elétrica de que precisa.

O prazo para completar a mudança em todas as usinas do estado é setembro do próximo ano. O mercado não térmico, ou seja, o industrial, o comercial e o veicular, também será beneficiado.

Além disso, nos próximos anos, o preço das contas de luz deve baixar também para o consumidor. O valor das tarifas pode cair até 75%. A Petrobras, a Eletrobrás e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estão discutindo os novos preços com base no aumento da oferta do produto e nos serviços prestados aos consumidores. De acordo com a Petrobras, a reserva de gás a ser explorada no Amazonas é a segunda maior do país, perdendo apenas para a do Rio de janeiro.

Segundo a ministra Dilma Rousseff, o Gasoduto Urucu-Manaus representa uma prova de que é possível aliar desenvolvimento e respeito ao meio ambiente. Ela destacou o importante papel do gasoduto para o meio ambiente, já que será capaz de provocar, por parte do Brasil, a redução de 1,2 milhões toneladas de emissões de gás carbônico por ano.

“Essa redução é muito significativa. Até setembro do ano que vem, quando todas as termelétricas do Amazonas estiverem consumindo o gás natural, a Amazônia vai dar mais um exemplo de sustentabilidade para o mundo”, afirmou a ministra.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati