Lilibet, filha do Príncipe Harry e de sua esposa birracial, foi vítima de racismo 2 dias depois de nascer

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

8 de junho de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Lilibet Diana, filha do Príncipe Harry e sua esposa birracial, a ex-atriz Meghan Markle, já sofreu os primeiros ataques racistas. A pequena, nascida no dia 04 passado, foi vítima, no domingo, de comentários racistas da colunista do The Telegraph Julie Burchill, que foi demitida, e da advogada Joanna Toch, que foi suspensa do trabalho.

Numa rede social, após a revelação do nascimento do bebê e seu nome, Julie escreveu: "que oportunidade perdida. Eles poderiam tê-la chamado de Georgina Floydina", ao que Joanna respondeu: "não Doria? Nomes negros não importam?". Julie então continuou: "esperava por Doria Oprah, os podres racistas", ao que Joanna retrucou: "Doprah?"

Georgina Floydina é uma referência a George Floyd, um homem negro morto por um policial branco ano passado durante uma abordagem considerada excessivamente violenta, enquanto Doria, que é afro-americana, é o nome da mãe de Meghan. Já Oprah é uma referência à apresentadora negra Oprah Winfrey, que em março exibiu em seu programa uma entrevista com Harry e Meghan que revelaram que um membro da Família Real Britânica havia feito um comentário de cunho racista a respeito de seu então filho ainda não nascido, Archie.

Joanna apagou suas postagens e pediu desculpas públicas, dizendo que sempre lutou contra o racismo, mas Julie se negou a fazer o mesmo, o que acarretou na sua demissão, relata a imprensa.

Esta não era a primeira vez que Julie havia feito comentários de cunho racista.

Lilibet

Lilibet nasceu na sexta-feira, 04 de junho, em Santa Bárbara, Califórnia, pouco antes do meio-dia, e a notícia de sua chegada foi anunciada no domingo à tarde.

Harry e Meghan, com o filho Archie, se mudaram para a América do Norte - primeiro para o Canadá e depois para os Estados Unidos - no final de 2019, principalmente para fugir da perseguição da imprensa.

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit