José Sócrates desiste da "maioria absoluta" para pedir "maioria parlamentar" em Portugal

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

16 de junho de 2009

Lisboa, Portugal

Em coletiva de imprensa ontem a noite, o primeiro-ministro e líder do Partido Socialista (PS), José Sócrates, contrariando a estratégia traçada no Congresso de Espinho, em março passado, em que afirmava que só a "maioria absoluta" PS daria condições de estabilidade e governabilidade, o dirigente dos socialistas admitiu que nas próximas eleições terá de pedir "uma maioria parlamentar". Sócrates afirmou à entrada para a reunião da comissão política do partido em Lisboa, onde foi analisada a derrota eleitoral nas europeias de 7 de junho.

Sócrates reconheceu a derrota das eleições do Parlamento Europeu:

O PS fez bem em assumir com humildade os resultados decepcionantes e a derrota eleitoral (...) um certo desgaste do Governo em resultado de uma governação muito exigente e muito difícil com reformas muito ásperas e que foram feitas ao serviço do país
José Sócrates, líder do Partido Socialista e Primeiro-Ministro de Portugal


Sócrates a afirmou que pedirá uma "solução de maioria parlamentar" que dê ao PS "condições para governar". Questionado pelos jornalistas sobre o real significado de "maioria parlamentar", respondeu:

Uma maioria parlamentar é uma maioria absoluta, que eu saiba, a não ser que haja outra maioria parlamentar que permita governar sozinho
Sócrates


Sócrates reconheceu um "certo desgaste" do Governo e "explicar melhor" aos portugueses as reformas feitas nos últimos anos, bem como os resultados obtidos. Ele deixou ainda uma mensagem à oposição:

Não vamos permitir o abuso que estão a tentar fazer, ao criar a ideia de que estas eleições foram legislativas [não era ainda o Governo que estava a ser escolhido] Nas eleições legislativas pergunta-se que Governo é que os portugueses querem, que primeiro-ministro querem, se do PS ou do PSD.
Sócrates


Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com