Jornalista senegalês detido devido a "segurança nacional"

7 de novembro de 2022

link=mailto:?subject=Jornalista%20senegalês%20detido%20devido%20a%20"segurança%20nacional"%20–%20Wikinotícias&body=Jornalista%20senegalês%20detido%20devido%20a%20"segurança%20nacional":%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Jornalista_senegal%C3%AAs_detido_devido_a_%22seguran%C3%A7a_nacional%22%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook link=https://twitter.com/intent/tweet?text=Jornalista+senegalês+detido+devido+a+"segurança+nacional"&url=https://pt.wikinews.org?curid=81621 WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
link=mailto:?subject=Jornalista%20senegalês%20detido%20devido%20a%20"segurança%20nacional"%20–%20Wikinotícias&body=Jornalista%20senegalês%20detido%20devido%20a%20"segurança%20nacional":%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Jornalista_senegal%C3%AAs_detido_devido_a_%22seguran%C3%A7a_nacional%22%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Um jornalista senegalês foi detido após ser acusado de divulgar informações prejudiciais à segurança pública. A prisão ocorre depois que o jornalista publicou artigos sobre acusações de estupro enfrentadas pelo principal líder da oposição, Ousmane Sonko.

Pape Ale Niang, que dirige o site de notícias Dakar Matin, foi detido no domingo enquanto trocava um pneu de carro no centro de Dakar, segundo relatos locais.

Niang é um jornalista franco conhecido por suas investigações sobre abusos de poder.

Os detalhes sobre as alegações de estupro contra Sonko teriam sido retirados de um documento militar confidencial.

Sonko ficou em terceiro lugar nas eleições presidenciais de 2019. Ele foi preso no ano passado sob o que muitos acreditam serem acusações duvidosas de estupro. O incidente desencadeou uma semana de tumultos que levaram à morte de 14 pessoas.

Uma segunda rodada de manifestações eclodiu em junho devido à decisão do governo de manter Sonko e outros membros da oposição fora das urnas nas eleições legislativas.

Sonko, que está sob supervisão judicial desde março de 2021, compareceu perante um juiz na quinta-feira pela primeira vez.

O presidente senegalês Macky Sall, que está em seu segundo mandato, deve deixar o cargo em 2024. Mas aumentam os temores de que ele concorra a um terceiro mandato inconstitucional – acusações que ele não confirmou nem negou.

O órgão regulador de imprensa do Senegal, o Conselho para a Observância das Regras de Ética e Conduta Profissional na Mídia, emitiu na segunda-feira uma declaração para condenar a prisão de Niang.

"É muito injusto", disse Mamadou Thior, presidente da organização. "Sabemos que se não protestarmos contra isso, hoje é Pape Ale Niang e amanhã serei eu ou outra pessoa. Estamos apoiando-o, aconteça o que acontecer. Porque Pape Ale como jornalista investigativo fez seu trabalho."

Niang enfrenta três acusações, incluindo violação de sigilo profissional e divulgação de informações que podem prejudicar a defesa nacional, de acordo com um comunicado do advogado de Niang à agência de notícias francesa AFP. Uma terceira acusação acusa Niang de atos susceptíveis de comprometer a segurança pública.

As detenções de jornalistas no Senegal são raras. O Senegal ficou em 49º lugar entre 180 no índice de liberdade de imprensa dos Repórteres Sem Fronteiras 2021. Mas o país caiu para 73 em 2022 – um nível considerado problemático.

"É uma situação lamentável em um país como o Senegal, onde por tanto tempo a liberdade de imprensa foi algo que foi aplaudido", disse Sadibou Marong, que dirige o escritório dos Repórteres Sem Fronteiras na África Ocidental.

Marong também disse que a diminuição do Senegal nos rankings de liberdade de imprensa ocorreu em grande parte devido a ameaças à segurança dos jornalistas e ao fechamento forçado de estações de mídia.

Fontes