Jornalista morta na Palestina era uma das principais repórteres da 'Al Jazeera'

12 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A jornalista do canal de televisão árabe Al Jazeera Shireen Abu Akleh foi morta a tiros nesta quarta-feira (11) durante confronto entre o Exército de Israel e palestinos. Ela cobria o conflito no Oriente Médio havia duas décadas

A Repórter, de 53 anos, nasceu em 1971 em uma família cristã na parte ocupada de Jerusalém, a palestina. Abu Akleh também era cidadã norte-americana, estudou jornalismo na Universidade Yarmouk, na Jordânia. Após formar-se, fundou a rádio Voz da Palestina, com sede em Ramallah.

A jornalista utilizava capacete e colete a prova de balas com a identificação de imprensa, porém foi atingida por disparos em Jenin, cidade palestina onde o Exército israelense intensificou as operações há pouco tempo.

Tel Aviv negou responsabilidade sobre a morte da repórter. O primeiro-ministro Naftali Bennett afirmou, em um comunicado, que “parece provável que palestinos armados – que estavam atirando indiscriminadamente no momento – tenham sido responsáveis pela lamentável morte da jornalista”.

Em contrapartida, o presidente palestino, Mahmoud Abbas, e a Al Jazeera caracterizaram sua morte como “um assassinato flagrante a sangue frio pelas forças israelenses”.

Fontes