Japão: estudante ganha direito de usar cor de cabelo natural; escola exigia preto

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

23 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O direito de usar seu cabelo na cor natural, castanho, ao invés do tradicional preto, acabou levando o caso de uma estudante japonesa aos tribunais. Segundo o Observatório dos Direitos Humanos, que divulgou o caso acontecido na cidade de Osaka, "regras que regulam a aparência colocam muitos alunos em risco".

"Muitas escolas no Japão têm políticas rígidas em relação à cor do cabelo, roupas e outros detalhes da aparências e os alunos podem enfrentar duras consequências se as cumprirem", enfatizou o Observatório.

Segundo o texto divulgado pela organização, a menina passou a usar seu cabelo natural, mas recebeu uma advertência da escola, que a acusava de pintá-lo. Ela chegou a pintar o cabelo de preto, para se adequar à política escolar, mas depois voltou atrás e o cabelo voltou à cor natural, o que fez a escola proibi-la de assistir as aulas. O caso parou num tribunal que, na semana passada, decidiu que ela poderia usar o cabelo castanho e ainda deveria receber uma indenização da escola.

Riscos mais amplos

O Observatório alerta que "o cabelo é um marcador cultural que pode ser associado a raça, sexo e gênero" e que regras envolvendo o tipo de cabelo estão por trás de vários casos de preconceito em diferentes países do mundo.

Fonte[editar]

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com