Irã sinaliza que desconsidera sanções da ONU, dos Estados Unidos e da União Europeia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

18 de junho de 2010

Sob sanções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, da União Europeia e dos Estados Unidos, o Irã tentou hoje (18) desprezar os efeitos das medidas. Para o governo do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, as informações que sustentam as restrições são “falsas”. Em comunicado oficial do Supremo Conselho de Segurança Nacional iraniano, os especialistas reiteram a manutenção do desenvolvimento do programa nuclear.

“A questão da resolução [o pacote de sanções imposto pelo conselho das Nações Unidas], contrariando todas as expectativas, é sobre as atividades nucleares pacíficas da República Islâmica do Irã, que se transformaram em torno da base de acusações falsas”, diz o comunicado. Para parte da comunidade internacional, o programa nuclear iraniano é uma ameaça porque supostamente produziria armas atômicas.

O documento informa ainda que a campanha norte-americana contra o Irã será inútil. “Acreditamos que a insistência da administração dos Estados Unidos em continuar no mesmo caminho imperfeito é caro, inútil e só vai resultar em descobrir a máscara injusta e equivocada do Conselho de Segurança”, diz.

O Supremo Conselho de Segurança Nacional iraniano reiterou que o país é signatário do Tratado de Não Proliferação de Armas (TNP) e que o programa nuclear tem fins pacíficos. No comunicado, o órgão ratifica a meta de manter na mesa de negociações o acordo nuclear, negociado pelo Brasil e a Turquia em maio. Pelo acordo, o Irã enviará 1.200 quilos de urânio levemente enriquecido para a Turquia. Em troca, receberá 120 quilos de urânio enriquecido a 20%.

“A República Islâmica do Irã, sublinha ainda a importância da Declaração de Teerã [nome oficial do acordo nuclear] como uma boa base para uma maior solidariedade das nações independentes na luta contra a demanda excessiva por grandes potências e estabelecer relações mais fortes de paz, justiça e felicidade para a humanidade”, afirmou o órgão.

No último dia 9, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou por 12 votos favoráveis o conjunto de sanções ao Irã. Apenas o Brasil e a Turquia se opuseram, enquanto o Líbano se absteve da votação. Nesta semana, os Estados Unidos e a União Europeia aprovaram mais uma série de medidas restritivas ao país. As restrições atingem principalmente os setores militar e comercial do Irã.

No comunicado do órgão iraniano, divulgado hoje, há críticas ao tratamento dispensado pela comunidade internacional ao Irã e ao ataque israelense à frota de navios com ajuda humanitária que se destinava à Faixa de Gaza – no último dia 31. “Provou-se que o Conselho de Segurança não é um fórum adequado para a manutenção da paz e da segurança internacionais nem um corpo para garantir os direitos das nações “, diz a nota.

O comunicado acrescenta que “o Conselho de Segurança provou que, enquanto os Estados Unidos se consideram formalmente comprometidos com a segurança do regime israelense e continuam a apoiar as suas atrocidades, o órgão não adotou qualquer resolução condenando os crimes do regime israelense”.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati