Intérpretes afegãos que arriscaram suas vidas apoiando tropas britânicas recomeçam novas vidas no Reino Unido

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

20 de setembro de 2020

Dezenas de intérpretes afegãos que apoiaram as Forças Armadas do Reino Unido na província de Helmand poderão se mudar para o Reino Unido como parte de um esquema de realocação expandido anunciado pelo Secretário de Defesa Ben Wallace e pela Secretária do Interior Priti Patel.

Os civis afegãos trabalharam como intérpretes para as forças britânicas na linha de frente em Helmand de maio de 2006 a dezembro de 2014, servindo ao lado deles em situações extremamente perigosas.

Eles eram frequentemente os olhos e ouvidos das forças britânicas, e sua experiência linguística e cultural permitiu que o Reino Unido trabalhasse lado a lado com os parceiros afegãos e comunidades locais enquanto protegia as tropas britânicas.

O Regime Ex-Gratia foi inicialmente criado em junho de 2013 para reconhecer a enorme dívida de gratidão do governo britânico por seu serviço. Sob o regime, os intérpretes poderiam optar por se mudar para o Reino Unido, receber 5 anos de treinamento e um salário mensal, ou receber o equivalente a 18 meses de salário.

Através do esquema, 445 ex-funcionários e suas famílias optaram por se mudar para o Reino Unido, o que significa que um total de 1.319 intérpretes afegãos e suas famílias já foram apoiados à medida que criam novas vidas no Reino Unido.

Fontes

Ligação a um site em inglês More Afghan interpreters who risked their lives supporting British troops to begin new lives in the UK, 19 de setembro de 2020

Royal Coat of Arms of the United Kingdom.svg

Nota: a não ser quando expresso em contrário, o Governo do Reino Unido (Gov. UK) licencia seus dados de acordo com a Open Government Licence, que permite "copiar, publicar, distribuir, transmitir e adaptar as informações, comercialmente e não-comercialmente", mediante "reconhecimento da fonte das informações".

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com