Incêndios na África do Norte se espalham para a Líbia e Tunísia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Abdelmadjid Tebboune, presidente argelino

14 de agosto de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Como o tempo excepcionalmente quente persiste em partes do norte da África, novos incêndios florestais teriam ocorrido na Tunísia e na Líbia durante as últimas 24 horas, além de muitos que ainda estão queimando na Argélia.

Os presidentes da Argélia e da Tunísia estão acusando incendiários de causar muitos dos incêndios, enquanto a mídia argelina disse que 22 supostos incendiários foram presos.

Vídeo amador mostrou um incêndio florestal fora de controle perto da cidade líbia de Bayada, na região de Jebel Akhdar, a leste do país, durante a noite. A rede de TV 218 da Líbia informou que bombeiros na região estavam tentando apagar o incêndio.

Vários incêndios também eclodiram na Tunísia na quinta-feira, perto da fronteira com a Argélia.

A TV argelina noticiou que 40 dos quase 100 incêndios que estavam queimando em 17 províncias do país foram extintos na manhã de sexta-feira. Alguns relatos da mídia argelina estimam que o número de mortos nos incêndios é de mais de 70 pessoas mortas.

O presidente argelino, Abdelmadjid Tebboune, disse em um discurso transmitido pela televisão que muitos dos incêndios foram causados deliberadamente. Ele disse que cidadãos conscienciosos pegaram e prenderam quase duas dúzias de supostos incendiários.

A maioria desses incêndios, disse Tebboune, tem o que ele chamou de "mão criminosa" por trás deles, e cidadãos comuns pegaram 22 homens suspeitos de ter causado os incêndios, incluindo 11 em Tizi Ouzo, 2 em Gigell, 1 em Ain Defla, 3 em Medea e 4 em Annaba. Esperançosamente, ele insiste, a prova de sua culpa virá à tona.

O presidente tunisiano, Kais Saied, cujo país está lutando contra uma série de incêndios florestais perto de sua fronteira com a Argélia, disse à TV estatal tunisiana que as forças de segurança do país estão ajudando a combater os incêndios, e ele insiste que muitos deles foram provocados de propósito:

Kais disse que algumas pessoas iníquas cortaram a água potável em algumas áreas e disseram aos moradores para irem ao presidente para buscar água. Eles cortaram água nas pessoas e isso é um crime, disse ele.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit