Ilhas Salomão assinam pacto de segurança com a China

Manasseh Sogavare

20 de abril de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O primeiro-ministro das Ilhas Salomão, Manasseh Sogavare, disse ao parlamento que um amplo pacto de segurança assinado com a China não prejudicará a paz e a estabilidade na região. No entanto, Estados Unidos, Japão, Nova Zelândia e Austrália expressaram preocupação.

O arquipélago fica a 2.000 km a nordeste da Austrália.

Seu primeiro-ministro, Manasseh Sogavare, disse ao parlamento na capital, Honiara, que sob o acordo a China não construirá uma base militar na nação insular.

Sogavare rejeitou os esforços da Austrália - seu maior doador de ajuda - para impedir o acordo.

Canberra teme que isso permita que Pequim estabeleça uma presença militar dentro da tradicional esfera de influência da Austrália.

A ministra das Relações Exteriores australiana, Marise Payne, disse estar “profundamente desapontada” com a assinatura do acordo de segurança.

Ela disse à Australian Broadcasting Corp. que as soluções regionais para os problemas eram a melhor abordagem.

“Acreditamos firmemente que a família do Pacífico está melhor posicionada para atender às necessidades de segurança de nossa região e temos dito isso consistentemente e, mais importante, demonstramos”, disse ela.

A confirmação do acordo de segurança entre os governos de Honiara e Pequim colocou a segurança regional no centro da campanha eleitoral geral da Austrália.

O líder trabalhista da oposição Anthony Albanese insistiu que os “fracassos” diplomáticos do governo australiano permitiriam à China estabelecer uma presença militar na região pela primeira vez.

Pequim disse que o pacto ajudaria a responder a desastres naturais e manter a "ordem social".

Uma delegação americana de alto nível irá para as Ilhas Salomão na próxima semana.

Os Estados Unidos disseram que reabrirão sua embaixada em Honiara, que está fechada desde 1993.

Fontes