Hospital do interior paulista isola pacientes com superbactéria

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

24 de outubro de 2014

Brasil

Após cinco pacientes terem sido diagnosticados com a presença de uma superbactéria chamada KPC - Klebsiella pneumoniae carbapenemase -, o Hospital Municipal e Maternidade Dr. Acílio Carreon Garcia, em Nova Odessa, no interior de São Paulo, decidiu suspender cirurgias e isolar os pacientes. A medida, informou a Secretaria Municipal de Saúde, é apenas preventiva já que não há risco de contaminação no hospital. “Não há motivo para alarde”, informa nota da secretaria.

Um dos pacientes, do sexo masculino, diagnosticados com a bactéria morreu no local, na última sexta-feira (17). Segundo a secretaria, o falecimento aconteceu em decorrência de um quadro clínico anterior complexo, somado a uma pneumonia. O homem esteve internado anteriormente no Hospital Estadual de Sumaré (SP), onde recebeu alta e já de volta a sua casa, desenvolveu uma pneumonia e foi levado ao hospital de Nova Odessa.

De acordo com a secretaria, nenhum dos cinco pacientes, contraiu a bactéria no hospital. “Todos os pacientes são pessoas com a saúde debilitada e passaram por outros hospitais recentemente, dando entrada no hospital municipal já contaminados”, diz a nota. O hospital informou ter adotado todas as medidas preventivas necessárias, orientado principalmente pelo hospital de referência Emílio Ribas. O hospital não precisou ser fechado, mas a ala onde estão isoladas e as equipes médicas que os atendem utilizam equipamentos de proteção individual.

Segundo o Ministério da Saúde, o primeiro registro de KPC no Brasil foi em 2005. A transmissão ocorre por meio do contato direto, como tocar a pessoa contaminada, ou indireto, por meio do uso de um objeto comum. Para evitar a proliferação, o conselho é não tomar antibióticos por conta própria e seguir as recomendações médicas. Também é importante lavar bem as mãos antes e depois do contato com pessoas contaminadas.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati