Guatemala continua prendendo funcionários anticorrupção com uma crise política em formação

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

16 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A Promotoria da Guatemala confirmou nesta quarta-feira a prisão de dois promotores adjuntos da Promotoria Especial contra a Impunidade (FECI), a última de uma série de prisões de agentes anticorrupção.

As prisões no início da manhã ocorreram em meio a um escândalo político que abalou a nação centro-americana. No início desta semana, o canal de investigação salvadorenho El Faro informou que o presidente Alejandro Giammattei recebeu dinheiro ilícito para sua campanha presidencial de 2019, provocando indignação generalizada.

O secretário de imprensa de Giammattei negou as acusações.

Luis Pantaleón, porta-voz do Ministério Público, disse à Reuters que os dois promotores assistentes foram acusados ​​de abuso de autoridade por supostamente coagir uma pessoa a depor.

“Através de ameaças, violência ou processo de intimidação, eles tentaram obrigar o denunciante a assinar um acordo de colaboração efetiva”, diz um comunicado do Ministério Público.

Ambos os promotores assistentes estiveram envolvidos na descoberta de uma trama de corrupção entre advogados, políticos e empresários para eleger juízes. Autoridades guatemaltecas dizem que há mandados de prisão pendentes contra dois outros promotores assistentes envolvidos no caso.

Foi a segunda vez em uma semana que pessoas que trabalhavam em casos anticorrupção de alto nível foram presas.

Na quinta-feira passada, as autoridades prenderam Leyly Santizo, advogada que trabalhava com a extinta Comissão Internacional Contra a Impunidade (CICIG), entidade apoiada pela ONU que foi expulsa da Guatemala em 2018, depois que as investigações da comissão levaram à prisão de ex-presidentes e empresários de alto nível envolvidos em atos de corrupção.

Dias depois, as autoridades também prenderam Eva Sosa, ex-promotora da FECI.

Organizações de direitos humanos e a comunidade internacional condenaram as prisões de autoridades anticorrupção.

Na noite de terça-feira, o Ministério das Relações Exteriores da Guatemala publicou um comunicado para "exigir" aos agentes diplomáticos credenciados no país "que se abstenham de intervir em assuntos internos".

Fontes