Governo moçambicano procura mitigar grave crise de água

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

23 de abril de 2018

O Governo de Moçambique, com o apoio do Banco Mundial, está a investir cerca de 200 milhões de dólares num projecto destinado mitigar a grave crise de água que se abateu sobre as cidades de Maputo e Matola, bem como a vila de Boane.

Os três centros urbanos estão sujeitos a severas medidas de gestão de água desde 2015, que incluem a restrição, o que faz com que, em certos casos, alguns bairros permaneçam dois ou três dias sem água, criando transtornos para as famílias.

A restrição começou a ser natural ao nível da bacia do rio Umbelizi, principal fonte de abastecimento de água àqueles centros urbanos, que à medida que a albufeira da barragem dos Pequenos Libombos ia diminuindo, reduzia também a captação de água à montante, obrigando a tomada de medidas severas de gestão.

De acordo com o director-geral da Ara Sul, Hélio Banze, foram tomadas medidas de gestão, entre as quais a suspensão do fornecimento de água à irrigação, produção de energia eléctrica a partir da central dos Pequenos Libombos e extração de inertes na bacia dos Pequenos Libombos.

Dado que a situação continuava a agravar-se e a disponibilidade de água na barragem dos Pequenos Libombos também continuava a deteriorar-se, entrou-se, igualmente para o nível de restrição no fornecimento de água para o consumo humano.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati