Governo moçambicano decreta três dias de luto pelas vítimas da tragédia de Tete

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Província de Tete, Moçambique.

Agência Brasil

19 de novembro de 2016

O governo moçambicano decretou ontem (18) luto nacional de três dias pelas vítimas da explosão de um caminhão-tanque na província de Tete, no centro do país, que deixou 56 mortos confirmados e 108 feridos. O número de mortos foi corrigido pelo governo, após a divulgação pela Rádio Moçambique (emissora oficial), na noite de ontem (17), de 73 mortos, citando o governo de Tete.

O luto tem início a 0h deste sábado (19) e vai até o próximo dia 21, informou Mouzinho Saíde, porta-voz do Conselho de Ministros, que esteve reunido hoje de manhã em sessão extraordinária em Maputo.

"Durante o período de luto, a Bandeira Nacional será hasteada a meio-mastro em todo o território nacional e nas missões diplomáticas e consulares de Moçambique", disse aos jornalistas Mouzinho Saíde.

É a segunda vez em menos de dois anos que o governo decreta luto nacional por causa de uma tragédia na província de Tete. Em janeiro de 2015, 75 pessoas morreram em Chitima, em consequência de envenenamento por uma bebida tradicional, quando regressavam de um funeral.

O porta-voz do Conselho de Ministros informou ainda que será criada uma comissão de inquérito para investigar a explosão. A comissão será coordenada pelo Ministério da Justiça e integrada por representantes dos ministérios do Interior, da Administração Estatal e Função Pública e de Energia e Recursos Minerais.

Segundo a versão do governo, o camião desviou-se de sua rota para a localidade de Caphiridzange, no distrito de Moatize, onde ocorreu a tragédia, após o motorista ter abandonado o veículo que mostrava superaquecimento. Dezenas de pessoas, de acordo com o governo, tentavam retirar o combustível do veículo quando foram surpreendidas por uma explosão.

Ao chegar para a reunião do Conselho de Ministros, o presidente moçambicano, Filipe Nyusi, lamentou a tragédia e disse que é preciso flexibilidade das autoridades na assistência às vítimas.

A reunião extraordinária ocorreu paralelamente ao envio, para o local da tragédia, de uma equipe governamental, dirigida pela ministra da Administração Estatal e Função Pública, Carmelita Namashulua, acompanhada pelo ministro dos Transportes e Comunicações, Carlos Mesquita, pelo vice-ministro da Saúde, Mouzinho Saíde, e pelo diretor do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, Osvaldo Machatine.

Notícias Relacionadas[editar]

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati