Governo do Malawi pede desculpas por detenção de jornalista

8 de abril de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O procurador-geral do Malawi pediu desculpas por a polícia deter um jornalista e tentar forçá-lo a revelar suas fontes sobre uma história de corrupção do governo. O raro pedido de desculpas público veio depois que o governo enfrentou críticas de defensores da liberdade de imprensa e das embaixadas dos EUA e da Grã-Bretanha no Malawi.

O Media Institute for Southern Africa, MISA-Malawi, diz que o Procurador-Geral Thabo Chakaka-Nyirenda apresentou um pedido de desculpas na quarta-feira durante uma reunião no seu gabinete na capital Lilongwe.

Teresa Ndanga é presidente do MISA-Malawi, um grupo de vigilância da liberdade de imprensa.

“Durante essa reunião, o procurador-geral expressou suas desculpas”, disse Ndanga. “Ele enviou suas desculpas ao jornalista; ele enviou suas desculpas ao MISA e ele enviou suas desculpas à indústria da mídia no Malawi. E ele concorda que a prisão não foi correta.”

A polícia prendeu o jornalista Gregory Gondwe, que trabalha para a Platform for Investigative Journalism, na terça-feira, depois que o procurador-geral Chakaka Nyirenda disse que agiria contra aqueles que vazaram um documento que Gondwe usou em sua história, publicada em 30 de março.

Durante o interrogatório, Gondwe disse que a polícia o pressionou sem sucesso a revelar como e onde ele conseguiu o documento.

O jornalista foi libertado após quatro horas, após pressão local e internacional sobre o Malawi para que o libertasse.

O procurador-geral disse na quinta-feira que pediu desculpas para cumprir seu dever.

“Mesmo que eu não estivesse ciente do que aconteceu com o Sr. Gondwe, eu indiquei que sou um consultor jurídico do governo e quaisquer questões de natureza legal vêm a mim”, disse Nyirenda. "Nesse caso, portanto, porque sou o dono, eu tinha o dever de me desculpar."

A polícia disse na quarta-feira que na verdade não prendeu Gondwe, mas apenas o convidou para uma entrevista como parte de uma investigação sobre um problema que se recusou a divulgar.

Gondwe disse que embora a polícia tenha devolvido seu equipamento, alguns dos aplicativos, contatos e informações em seu telefone e computador foram adulterados.

“Quando os aparelhos estavam com eles, fontes e algumas pessoas com quem conversei estavam enviando mensagens e contatos, o que poderia ser um problema se eles começarem a suspeitar que as pessoas que estavam me contatando poderiam ser minhas fontes”, disse Gondwe.

O MISA-Malawi diz em comunicado que está a planear reunir-se com o inspector-geral da polícia para pedir às autoridades que nunca utilizem qualquer informação extraída do equipamento de Gondwe.

Fontes