Governador de Roraima garante que encerramento da fronteira com a Venezuela não impede envio de ajuda

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

22 de fevereiro de 2019

O governador do Estado brasileiro Roraima, Antonio Denarium, afirmou ontem quinta-feira (21) que a decisão do Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, de fechar a fronteira com o Brasil cria um “clima tenso” na região, mas não impede a entrega de alimentos e medicamentos aos cidadãos do país vizinho.

Denarium fez esta declaração depois que Maduro anunciou o encerramento da fronteira com o Brasil a partir das 20 horas locais de hoje.

O Estado de Roraima fica na fronteira com a Venezuela e tornou-se nos últimos anos a principal porta de entrada de imigrantes que fogem da crise política, económica e social que vive o país.

Denarium está em Brasília, onde discutiu com o Governo federal a entrega de ajuda humanitária aos venezuelanos, anunciada na terça-feira.

Brasília enviará alimentos e medicamentos até as cidades de Boa Vista e Pacaraima.

Os produtos serão apanhados no Brasil por venezuelanos, que cruzarão a fronteira em camiões.

A logística, segundo o governador, não impedirá a entrega dos produtos aos venezuelanos, já que brasileiros não entrarão no país vizinho.

Decisão de Maduro

O Brasil, com os Estados Unidos, está entre os países que consideram Juan Guaidó residente interino da Venezuela.

O anúncio de Nicolás Maduro acontece em meio à pressão para que ele permita a entrada de ajuda humanitária oferecida pelos Estados Unidos e por países vizinhos após pedido de Juan Guaidó.

Maduro vê a oferta dessa ajuda como uma interferência externa na política do país.

O Presidente venezuelano também pensa fechar a fronteira com a Colômbia, enquanto Juan Guaidó iniciou hoje uma viagem de 800 quilómetros à fronteira da Colômbia, onde vai pressionar pela entrada de ajuda humanitária.

A Guarda Nacional da Venezuela bloqueou a viagem de uma caravana de deputados da oposição que se dirigem para a fronteira com a Colômbia, o que obrigou os líderes a descer dos autocarros.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati