Funeral de José Eduardo dos Santos: Filhos e Governo com leituras diferentes

19 de julho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Agência VOA

Os cinco filhos mais velhos do falecido Presidente angolano José Eduardo dos Santos comprometeram-se a colaborar na realização de um funeral nacional, mas após as eleições de 24 de agosto e pedem um mausoléu para acolher os restos mortais.

A informação é avançada pela agência Lusa e referida pela imprensa portuguesa e angolana como estando numa carta subscrita por cinco dos seus filhos.

Entretanto, enquanto a filha de Dos Santos, Tchizé dos Santos diz não ter assinado a carta mas estar de acordo com o teor dela, sem qualquer pedido de amnistia, o ministro de Estado e Chefe da Casa Militar, Francisco Furtado condenou a eventual pretensão dos filhos em usarem os restos mortais do antigo Presidente como moeda de troca pelo fim das acções judiciais que enfrentam no país.

A carta divulgada na imprensa é supostamente subscrita por Isabel, José Filomeno "Zenu", Welwitschea "Tchizé", Joess e José Eduardo Paulino "Coreon Dú", os filhos do antigo Presidente da República, que expressam "profunda gratidão ao povo de Angola" e a todos os que partilham a sua tristeza, pedindo respeito pelo luto.

Homenagem e respeito

"Seja qual for o resultado das próximas eleições, no futuro, nós, a família, junto das instituições e do Presidente eleito, colaboraremos na união da Nação e, a organizar com tempo necessário as condições para homenagem e o funeral nacional do Pai da Nação, o nosso pai, Eng. José Eduardo dos Santos, para que um dia este em dignidade e respeito descanse em paz na terra dos seus antepassados", prometem os filhos mais velhos, na carta, no qual apelam “ a todos a respeitarem os nossos costumes, os nossos valores ancestrais e as nossas crenças religiosas”.

“O nosso pai tem esse direito e ninguém o pode contestar", continua a carta, em que os filhos lembram que na tradição africana o tempo de luto é "um tempo de reflexão e reconciliação".

A agência citada pela imprensa diz que a carta foi enviada pelos serviços de assessoria da filha Isabel dos Santos, em que consta a assinatura de "Tchizé" dos Santos, e no qual defendem o "fim dos processos judiciais e institucionais contra muitos angolanos".

Entretanto, num áudio divulgado hoje, Tchizé dos Santos refuta a ideia de que ela tenha pedido qualquer amnistia e diz duvidar que seus irmãos tenham feito tal pedido.

“O que os meus irmãos iam pedir era um pedido de desculpas público à figura de José Eduardo dos Santos no Parlamento, um reconhecimento de que houve um conflito político que o vitimou e que vitimou a família e uma reparação dos danos provocados por tudo o que estamos a ver”, disse a antiga deputada no áudio a que a VOA teve acesso.

Governo contrapõe

Entretanto, o ministro de Estado e Chefe da Casa Militar, Francisco Pereira Furtado, que chefiou a delegação que se encontra em Barcelona a negociar com a família, indicou que na reunião mantida com alguns dos filhos do antigo Presidente, na qual não estava Tchizé, o Governo deixou claro que eles não poderiam pretender usar os restos mortais do pai como moeda de troca das acções judiciais que enfrentam em Angola.

“No encontro que tive com a família, incluindo a eng. Isabel dos Santos, a Tchizé não participou directamente, mas o seu irmão Filomeno, há o desejo deles de verem realmente o pai sepultado, mas as condições que nos transmitiram no sábado passado levaram-nos a esclarecer que não deviam usar o corpo do pai como moeda de troca para atingir outros fins que não sejam aquilo que é o sentimento familiar e o sentimento da nação angolana, toda a nação angolana chora e quer a presença do seu líder no país para render-lhe a merecida homenagem como líder político”, afirmou Furtado quem acrescentou “lamentamos que isto esteja assim”.

Entretanto, em declarações à VOA, o companheiro e amigo do antigo Presidente, o general Dino Matross, apela à paz.

“Neste momento tudo que posso aconselhar é paz e que se encontra a melhor forma de se encontrar a paz”, disse.

José Eduardo dos Santos morreu a 8 de julho e o destino do seu corpo depende agora da decisão de um tribunal da Catalunha, Espanha.

Fontes