Franceses que moram no Brasil se antecipam aos eleitores da França e escolhem hoje presidente

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

5 de maio de 2012

Brasil


Brasília – Um dia antes do segundo turno das eleições presidenciais da França, que ocorrem amanhã (6), aproximadamente 15 mil franceses que moram no Brasil estão aptos hoje (5) para escolher o novo presidente da República. A votação ocorre das 8h às 18h nos consulados em Brasília, São Paulo e no Rio de Janeiro.

Os eleitores escolherão entre o presidente da França, Nicolas Sarkozy, que tenta a reeleição, e o socialista François Hollande. O sistema político é o semipresidencialista – com presidente da República, que cumpre mandato de cinco anos, e o primeiro-ministro (que é nomeado pelo presidente). Atualmente o primeiro-ministro é François Fillon.

No último dia 22, ocorreu o primeiro turno, quando somente 28,3% dos eleitores franceses cadastrados no Brasil votaram, um total de 4.217 pessoas. Os eleitores devem levar apenas a identidade francesa. O voto na França não é obrigatório. Dos cerca de 65,4 milhões de habitantes da França, aproximadamente 40 milhões se inscreveram para votar nestas eleições.

A disputa eleitoral na França polarizou os eleitores entre os conservadores, que tendem a votar em Sarkozy, e os mais liberais, que deverão apoiar Hollande. No promeiro turno, o socialista saiu na frente com 28,6%, enquanto Sarkozy obteve 27,06% de votos.

Nos comícios, os candidatos se concentraram em alguns temas que chamam a atenção dos eleitores, como o risco de desemprego, uma das consequências da crise econômica mundial, o aumento do rigor no tratamento dispensado aos imigrantes, principalmente os muçulmanos, e um plano de contenção de gastos para a França.

A expectativa é que a apuração dos votos comece às 20h de Paris (15h de Brasília). O vitorioso deve tomar posse no próximo dia 14. Em seguida, ocorrem as eleições legislativas – em duas etapas: 10 e 17 de junho.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com