Finlândia inaugura seu novo EPR, o maior reator nuclear da Europa

25 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A Finlândia adquiriu um reactor nuclear de nova geração: o EPR, uma tecnologia francesa que deverá eventualmente fornecer 14% da electricidade. As obras desta EPR demoraram doze anos e o estaleiro sofreu problemas financeiras: a fatura final passou de 3 para 9 mil milhões de euros, mas hoje os finlandeses parecem satisfeitos por finalmente poderem usufruir desta nova fonte de eletricidade.

A primeira razão é que a Finlândia é o único país nórdico a sofrer de um grande déficit de energia. Na Suécia há hidroeletricidade, na Noruega há gás e petróleo, na Islândia há geotérmica, mas nada disso na Finlândia.

Outra vantagem com este EPR: a Finlândia também reduzirá suas emissões de CO². É em particular o que convenceu os partidos políticos que, no início, eram refratários, e em particular os ecologistas.

Veli Liikanen disse: “É apenas dizer que queremos o desenvolvimento de qualquer tecnologia que seja de baixo carbono e pró-ambiental. Já não são contra o princípio da energia nuclear.”

E com a guerra na Ucrânia, essa eletricidade nuclear é ainda mais bem-vinda, especialmente porque a maioria das importações de energia da Finlândia vem da Rússia. Ao eletrificar sua economia, a Finlândia poderá, portanto, comprar menos carvão e gás russo. Isso será ainda mais tentador, pois com o EPR, o preço da eletricidade, tanto para residências quanto para empresas, cairá.

A Finlândia pretende, portanto, continuar nesse caminho. Esse reator é o quinto da Finlândia, mas o país planeja construir dois novos reatores.

Fontes