Filme Sangue Azul vence Festival do Rio

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

9 de outubro de 2014

Brasil

O longa-metragem de ficção Sangue Azul, do diretor pernambucano Lírio Ferreira, foi o vencedor da 16ª edição do Festival do Rio e ganhou o Troféu Redentor. O filme recebeu ainda os prêmios de melhor diretor e de melhor ator coadjuvante para Rômulo Braga. O longa, que foi rodado em Fernando de Noronha, trata de relações amorosas que envolvem a história de Pedro, que aos 10 anos foi separado da irmã, pela mãe, temerosa de uma relação incestuosa entre os dois. O menino é criado pelo ilusionista de circo Kaleb e se transforma em Zolah, o Homem-Bala, interpretado pelo ator Daniel de Oliveira. Já adulto volta à ilha onde morava com a família, e o passado vem à tona.

O prêmio de melhor ator ficou com Matheus Fagundes, que atuou em Ausência, e de melhor atriz foi para Bianca Joy Porte, pela interpretação no filme Prometo Um Dia Deixar Essa Cidade. A cerimônia de premiação foi ontem (8) à noite, no Armazém da Utopia, zona portuária do Rio de Janeiro, e teve a apresentação dos atores Leandro Hassum e Deborah Secco. Durante a entrega homenagearam o ator e diretor Hugo Carvana, que morreu no último sábado (4), vítima de câncer no pulmão direito.

O ator Othon Bastos também foi homenageado e recebeu o Troféu Especial do Júri pelo conjunto da obra. O baiano, de 81 anos, brincou ao receber a premiação. Disse que, em geral, quando se recebe um prêmio no Brasil a pessoa perde o emprego, porque pensam que ela vai pedir uma fortuna para atuar, e destacou que isso seria ainda mais valorizado, uma vez que ele estava recebendo a homenagem pela obra completa.

Para a diretora do Festival do Rio, Walkíria Barbosa, a venda de mais de 250 mil ingressos para as sessões mostra o sucesso do evento, que reuniu 350 filmes de mais de 60 países, exibidos em 30 cinemas e espaços culturais da cidade. A programação da Première Brasil, que inclui a parte competitiva do festival, teve 69 produções, sendo 41 longas e 28 curtas.

Walkíria considerou que a transferência de parte da programação para o Cinépolis Lagoon, complexo de salas às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul do Rio, foi uma decisão acertada. No ano passado, por causa das manifestações na Cinelândia, no centro da cidade, a organização do festival foi obrigada a trocar de última hora parte da programação do tradicional Cinema Odeon, onde costumavam ocorrer a abertura e o encerramento, além da programação da Première Brasil.

Vencedores do Festival do Rio:

Première Brasil

Melhor Longa-Metragem de Ficção - Sangue Azul, de Lírio Ferreira Melhor Longa-Metragem de Documentário (Doc) - À Queima-Roupa, de Theresa Jessouroun Melhor Curta-Metragem - Barqueiro, De José Menezes e Lucas Justiniano Melhor Diretor De Ficção - Lírio Ferreira (Sangue Azul) Melhor Diretor De Doc - Theresa Jessouroun (À Queima Roupa)

Melhor Atriz - Bianca Joy Porte (Prometo Um Dia Deixar Essa Cidade) Melhor Ator - Matheus Fagundes (Ausência) Melhor Atriz Coadjuvante - Fernanda Rocha (O Último Cine Drive-In) Melhor Ator Coadjuvante - Rômulo Braga (Sangue Azul) Melhor Fotografia - André Brandão (Obra) Melhor Montagem - Luisa Marques (A Vida Privada dos Hipópotamos) Melhor Roteiro - Murilo Salles (O Fim e os Meios) Prêmio Especial Do Júri - Ausência, de Chico Teixeira Prêmio pelo Conjunto da Obra - Othon Bastos

Novos Rumos

Melhor Filme - Castanha, de Davi Pretto Melhor Curta - Bom Comportamento, de Eva Randolph Prêmio Especial Do Júri - Deusa Branca, de Alfeu França


Prêmio Fipreci (Federação Internacional de Imprensa Cinematográfica)

Melhor Longa Ficção: Casa Grande, de Fellipe Gamarano Barbosa Melhor Longa Doc: Favela Gay, de Rodrigo Felha Melhor Curta: Max Uber, de André Amparo

Outros Prêmios:

Mostra Geração - Finn, de Frans Weisz

Prêmio Felix - Dedicado ao melhor filme de temática LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) entregues no dia 6: Melhor Documentário - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman Melhor Ficção - Xenia, de Panos H. Koutras Prêmio Especial do Juri - Toda Terça-Feira, de Sophie Hyde

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati