Felipe Neto: youtuber comprou 14 mil livros LGBT em resposta à censura do prefeito do Rio, Marcelo Crivella

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

10 de setembro de 2019

Brasil


O evento foi uma resposta a uma ação do prefeito Marcelo Crivella, que se posicionou contra o beijo gay da HQ Young Avengers, titulada em português como Jovens Vingadores ou Vingadores: A cruzada das crianças. O prefeito enviou dez funcionários da Secretaria Municipal de Ordem Pública (SEOP) foram à Bienal do Livro para fiscalizar livros "impróprios".

A ideia da comprar dos livros veio de Alessandra Ruiz, amiga de Felipe Neto. Como a HQ censurada tinha poucas unidades e era antiga, foi desenvolvido um projeto maior, com a compra de todos os títulos LGBT da Bienal do Livro do Rio de Janeiro 2019.

Um mutirão de voluntários foi formado na Bienal do Rio Janeiro, com a particpação de editoras e autores que ajudaram a embalar as obras. Os livros foram distribuídos gratuitamente na Bienal.

Em uma rede social, Felipe Neto compartilhou um vídeo informando que as obras viriam embaladas em plástico opaco, com o lacre com a mensagem: "Este livro é impróprio para pessoas atrasadas, retrógradas e preconceituosas".

No vídeo, Neto afirmou que "nunca incomodou ao prefeito que as HQs historicamente tenham cenas de violência, sangue, guerra, tiro, porrada, bomba, isso não importa. Só o que incomoda é o amor entre pessoas do mesmo sexo".

Repercussão
Vicente Vilardaga, escrevendo para a IstoÉ disse que "Neto se mostrou estratégico e libertário, deu um passo de gigante para o amadurecimento da democracia e entrou de corpo e alma no debate político. As filas de leitores para ganhar os livros só se extinguiram depois de sete horas. Nos últimos dias só se falou de seu gesto contra Crivella. O que ele fez foi resistir a um ato arbitrário com contundência e elegância."

Em entrevista a IstoÉ, Felipe Neto disse que sua ação na Bienal "Foi uma resposta à censura e à opressão. Não podemos mais nos calar perante o que está acontecendo. Há um plano de silenciamento e controle e nós, como população, precisamos nos levantar contra isso. A campanha na Bienal foi uma forma de mostrar que o povo está unido e que lutará com unhas e dentes pela liberdade e pelo amor. Deu muito trabalho, mas foi uma grande felicidade."

N. G. Gortázar, escrevendo para o El País disse que Felipe Neto é "um soldado de peso contra bolsonaristas nas redes". Carlos Jordy, deputado do Partido Social Liberal (PSL) se posicionou contra a atitude de Felipe Neto, respondendo com discurso de ódio.

Em resposta ao UOL, a assessoria de imprensa nacional do PSL disse que não iria se posicionar sobre o caso porque é "impossível responder" contra quem é acusação, o diretório nacional ou estadual. Afirmou também que iria processar Felipe Neto e o UOL, caso mencionasse os bots (robôs) ao partido "sem apontar provas e sem esclarecer" contra quem é direcionada a acusação.

Ver também

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati