Físico da Universidade Harvard afirma que o site de busca Google contribui com aquecimento global

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

15 de janeiro de 2009

Estados Unidos


Em entrevista ao jornal americano The Sunday Times, o físico norte-americano e professor da Universidade de Harvard, Alex Wissner-Gross revelou na última segunda-feira, dia 12, que utilizar o sistema de busca do site mais popular do mundo, o Google, contribui com o aquecimento global. De acordo com Wissner, uma pesquisa simples gera até sete gramas de gás carbônico.

Ainda segundo o pesquisador, quanto mais rápida for a pesquisa realizada pelo site de busca, mais quantidade de gás carbônico será emitida pelo Google.

"O Google opera em centros de dados que consomem uma grande quantidade de energia", disse Alex Wissner Gross ao jornal.

O estudo de Wissner-Gross afirma que uma busca típica no Google em um computador de mesa gera cerca de 7 gramas de dióxido de carbono.

Segundo o físico americano, para ferver água em uma chaleira elétrica, são emitidos cerca de 14 gramas de dióxido de carbono, ou o equivalente a duas buscas no Google.

Wissner-Gross argumenta que essas emissões de carbono derivam da eletricidade usada pelo terminal de computador e pela energia consumida pelos grandes centros de dados operados pelo Google em todo o mundo. O site possui centros de dados nos Estados Unidos, Europa, Japão e China.

Apesar de o sistema de buscas americano ser reconhecido pelos seus resultados rápidos, Wissner-Gross diz que ele somente consegue isso porque usa vários bancos de dados ao mesmo tempo, produzindo mais dióxido de carbono que alguns de seus competidores na internet.

Segundo o acadêmico, para cada segundo conectados à internet, geramos 0,02 grama de emissões de carbono.

Isoladamente, esse número pode não parecer muito, mas a cada dia são feitas cerca de 200 milhões de buscas na internet, maior se comparasse com a população brasileira, que é de 188 milhões.

A Google Nega

Em resposta ao estudo de Alex Wissner, o Google divulgou em um comunicado à imprensa, que à medida que os computadores passam a representar uma parte maior nas vidas das pessoas, estas também consomem cada vez mais energia. A empresa diz que trata com "seriedade" o aquecimento global.

Mas, em seu comunicado, a empresa diz estar considerando esse impacto com seriedade.

O site de busca informou que, por conta da preocupação com a emissão de gás carbônico, desenvolveu um programa de energia eficiente em todos os centros de dados que comanda.

A empresa disse ter desenvolvido "os centros de dados mais eficientes do mundo em termos do uso de energia".

"De fato, no tempo que leva para fazer uma busca no Google, seu computador pessoal vai usar mais energia do que nós usamos para responder à sua questão", afirma o comunicado.

O buscador também confirmou que, no ano passado, foram investidos cerca de US$ 45 milhões em energia limpa.

Fontes