Exposição do mestre surrealista Salvador Dalí começa amanhã em São Paulo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

19 de outubro de 2014

Brasil

Conhecido por retratar sonhos e fantasias e também por manter um bigode extremamente fino e com as pontas levantadas para o alto, o artista catalão e surrealista Salvador Dalí (1904-1989) será homenageado a partir de amanhã (19), em são Paulo, com uma mostra no Instituto Tomie Ohtake.

1934

São 218 obras do pintor, divididas entre 24 pinturas, 135 gravuras e desenhos [muitas delas ilustrações para livros como Alice no País das Maravilhas, Fausto, Dom Quixote e O Velho e o Mar], 15 fotos, 40 documentos, quatro filmes [entre eles o famoso O Cão Andaluz, dirigido com Luis Buñuel] e até uma grande sala retratando a atriz norte-americana Mae West (1893-1980) como um apartamento. A sala atrai curiosos [em filas geralmente longas] em busca de uma foto sentado em poltrona simulando a boca da atriz.

Dalí foi um dos principais nomes do surrealismo, movimento artístico bastante influenciado pelas teorias do médico neurologista e criador da psicanálise Sigmund Freud (1856-1939) e que enfatiza o inconsciente. Foi pintor, desenhista, ilustrador, cineasta e cenógrafo. Suas pinturas retratam geralmente figuras recorrentes como relógios, muletas e corpos mutilados.

A mostra apresenta, principalmente, a década de 30, o auge do movimento surrealista. Ela já foi apresentada no Rio de Janeiro e chega a São Paulo com algumas novidades, entre elas cinco novas obras da Fundação Gala-Salvador Dalí e outras duas do Museu Reina Sofia, instituições detentoras de 90% dos trabalhos expostos. Uma delas retrata o pequeno óleo sobre madeira O Espectro do Sex-Appeal (1934), em que Dalí mostra o temor pela sexualidade, e O Piano Surrealista (1937), fruto de sua colaboração com os irmãos Marx. A curadoria é de Montse Aguer, diretora do Centro de Estudos Dalinianos da Fundação Gala-Dalí.

“Estamos apresentando uma mostra antológica de Dalí, centrada em seu período surrealista. Também mostramos a evolução de sua carreira e como desenvolveu seu estilo”, salientou a curadora, em entrevista hoje (18) à Agência Brasil.

De início, o visitante encontra, por exemplo, telas do período de formação do pintor, tais como Desnudo (1924) e Retrato de Miinha Irmã (1925). “Creio que a exposição é muito importante para se aprofundar em Dalí e no surrealismo, movimento que não está muito presente no Brasil, mas que será muito bem entendido [pelos visitantes]”, salientou a curadora. “É um movimento que apela à imaginação, aos sonhos e ao inconsciente. Dalí se definia como uma máquina de pensar e dizia que queria abrir as janelas mentais”, explicou.

Paralelamente, duas mostras de cinema ocorrem para apresentar filmes de Dalí ou com temática surrealista. A primeira integra a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, iniciada na última quinta-feira (16) e que vai apresentar O Cão Andaluz e A Idade do Ouro (1930). A segunda está programada para dezembro, no Museu da Imagem e do Som (MIS), e será denominada Surrealismo no Cinema.

A exposição é gratuita, de terça-feira a domingo, das 11h às 20h, até 11 de janeiro. Para participar, os visitantes precisam apenas de uma senha, que será distribuída no local, a partir das 10h. A exposição estará aberta para visitação em três horários: 11h, 14h e 17h. Mais informações no site do instituto.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati