Ex-presidente do Instituto Brasil de Resseguros mentiu para Polícia Federal sobre suposto esquema de corrupção

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

4 de junho de 2005

Brasil

O ex-presidente do Instituto Brasil de Resseguros (IRB) Lídio Duarte negou nesta última quinta-feira, dia 2 de junho, que existiu alguma vez cobranças de dinheiro no valor de R$ 400 mil do instituto para o partido político do PTB. A revista Veja revela esta semana o áudio da conversa que teve com Duarte, o que desmente suas declarações à polícia.

Lídio Duarte disse para a Polícia Federal quinta-feira que o deputado Roberto Jefferson, que é o presidente do PTB, não está envolvido em nenhum esquema de cobrança de propinas. Duarte disse que o corretor de seguros Henrique Brandão, acusado pela revista Veja de cobrar as propinas para o PTB, tinha apenas relações comerciais normais com a empresa.

A revista Veja publicou duas semanas atrás uma matéria que dizia que, segundo uma fonte não revelada, Lídio Duarte tinha deixado a direção do IRB porque não agüentava mais receber as cobranças de propina de Jefferson. O corretor Henrique Brandão seria quem supostamente recolheria o dinheiro, um valor mensal de R$ 400 mil.

O advogado de Duarte, José Araújo de Almeida, disse ainda que as denúncias publicadas na imprensa eram fantasiosas. "É fantasia, isso não existiu. Nunca houve esse debate. Ele [Lídio Duarte] desmente a revista".

O IRB é uma sociedade de economia mista vinculada ao Ministério do Trabalho, da Indústria e do Comércio. Entre suas funções estão regular o cosseguro, resseguro e retrocessão, e promover o desenvolvimento de operações de seguros no Brasil.

Gravação revela que Lídio Duarte mentiu para a polícia

A revista Veja desta semana publicou uma matéria em que afirma que Lídio Duarte mentiu para a Polícia Federal. A revista Veja revelou também quem foi a sua fonte para a matéria publicada há duas semanas sobre o suposto esquema de corrupção do IRB. Segundo a revista, sua fonte seria o próprio Lídio Duarte.

As entrevistas que os jornalistas da revista Veja realizaram com Lídio Duarte foram gravadas. A revista diz que tinha combinado com Duarte não revelar que era ele a fonte da denúncia relatada na matéria. Como Duarte desmentiu a revista na polícia, quebrando o compromisso, Veja resolveu revelar que ele era a fonte, entre outros detalhes.

A gravação que Lídio Duarte teve com jornalistas da revista Veja está disponível, em formato mp3, para download na webpage da revista.

Num dos trechos gravados Lídio Duarte reclama da pressão exercida por Henrique Brandão:

O Roberto Jefferson colocou uma pessoa para falar comigo, chamada Henrique Brandão, que opera na área de seguros pra ele. (...) Quando eu tentei falar com ele sobre os problemas que o intermediário [Henrique Brandão] estava me criando, ele disse assim: "Conheço o fulano há trinta anos". [1]

Em outro trecho, Duarte menciona a cobrança de R$ 400 mil:

O partido (PTB) tem despesas com os diretórios, com as festas, com os jantares, com não sei o quê. Cada indicado tem que botar 400 mil reais por mês.(...) Dizem que o partido tem um ônus, todo mundo tem que ajudar, contribuir. [2]

Ver também

Fontes