Ex-diretor da DGS diz que Portugal está cometendo "os mesmos erros do Natal passado"

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

22 de dezembro de 2021

link=mailto:?subject=Ex-diretor%20da%20DGS%20diz%20que%20Portugal%20está%20cometendo%20"os%20mesmos%20erros%20do%20Natal%20passado"%20–%20Wikinotícias&body=Ex-diretor%20da%20DGS%20diz%20que%20Portugal%20está%20cometendo%20"os%20mesmos%20erros%20do%20Natal%20passado":%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Ex-diretor_da_DGS_diz_que_Portugal_est%C3%A1_cometendo_%22os_mesmos_erros_do_Natal_passado%22%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
link=mailto:?subject=Ex-diretor%20da%20DGS%20diz%20que%20Portugal%20está%20cometendo%20"os%20mesmos%20erros%20do%20Natal%20passado"%20–%20Wikinotícias&body=Ex-diretor%20da%20DGS%20diz%20que%20Portugal%20está%20cometendo%20"os%20mesmos%20erros%20do%20Natal%20passado":%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Ex-diretor_da_DGS_diz_que_Portugal_est%C3%A1_cometendo_%22os_mesmos_erros_do_Natal_passado%22%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O ex-diretor de Serviços de Informação e Análise da Direção-Geral da Saúde (DGS), André Peralta-Santos, fez criticas através do seu Twitter. Segundo ele, Portugal não deve relaxar as medidas contra a pandemia de covid-19 durante as festividades de Natal.

“Para diminuir o risco de voltarmos ao caos hospitalar de janeiro de 2021 é necessário implementar já algo semelhante ao que a Dinamarca fez. Encerrar sítios onde há risco de super spreading (bares, discotecas, espetáculos), limitar lotações de espaços públicos. Com apoios públicos”, escreveu na rede social.

Segundo André Peralta-Santos, “o risco que corremos é de um janeiro com níveis de doença na comunidade muito elevados e pressão muito elevada nos hospitais com degradação da qualidade e acesso a cuidados não Covid.”. “No ano passado decidimos aliviar restrições no Natal e pagamos caro essa decisão com um janeiro de 2021 de má memória”, concluiu ele.

Atualmente, Portugal possui mais de um milhão e duzentos mil casos confirmados e são 18 mil mortos.

Fontes