Estados Unidos impõem sanções diplomáticas ao governo provisório de Honduras

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

29 de julho de 2009

Após um mês no poder, o governo provisório de Honduras sofreu o mais duro golpe até agora. Os Estados Unidos suspendaram os vistos diplomáticos de quatro autoridades hondurenhas, que participaram da deposição do presidente. Na lista, o juiz que mandou prender Manuel Zelaya, em 28 de junho, e o presidente do Congresso, Jose Alfredo Saavedra.

O porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Ian Kelly, disse que outros vistos diplomáticos podem ser revistos, e reafirmou que os Estados Unidos não reconhecem Roberto Michelleti como presidente de Honduras. De acordo com a assessoria do presidente provisório de Honduras, essa reação não preocupa, já que foram suspensos apenas os vistos diplomáticos e não os vistos convencionais das autoridades.

A ação norte-americana foi um recado para o Congresso, que pretende atrasar o quanto pode a decisão sobre a concessão ou não de uma anistia para Zelaya e para os militares, que expulsaram do país o presidente deposto. A anistia deve ser votada só na quinta-feira (30), prazo máximo estipulado pelo presidente da Costa Rica, Oscar Arias, responsável pela negociação internacional.

O deputado Ronaldo Reyes Avelar, do Partido Nacional (de oposição a Zelaya), disse que não tem pressa para terminar com o impasse. “Vamos analisar todos os pontos com muita cautela. Não vamos fazer nada de afogadilho”, advertiu.

O ex-presidente do Chile Ricardo Lagos foi convocado pela Organização dos Estados Americanos (OEA) para auxiliar nas negociações. Ontem (28), em Tegucigalpa, houve poucas manifestações. Lojas e escolas funcionaram normalmente. Mas o grupo a favor de Zelaya promete parar a capital na quinta-feira e na sexta-feira (31). “Esse governo só administra a crise, não faz mais nada”, analisou Israel Salina, secretário-geral da União dos Trabalhadores de Honduras.

Enquanto isso, o toque de recolher completa quatro dias na fronteira. Mesmo com o bloqueio de estradas, os militares deixaram que a mulher de Manuel Zelaya, Xiomara Zelaya, avançasse em diração à aduana, onde o presidente deposto comanda a resistência ao golpe. O comandate militar, Romeu Vasquez, foi à região, e ordenou que o Exército mantenha a patrulha para impedir a entrada de Manuel Zelaya no país.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati