Saltar para o conteúdo

França condenada por violação da liberdade de expressão: diferenças entre revisões

[edição verificada][edição verificada]
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel Edição móvel avançada
 
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel Edição móvel avançada
 
===Qual foi o caso?===
[[Ficheiro:Msc 2004-Saturday Afternoon-1400-1600-IMG 0059.jpg|thumb|270px|esquerda|Michèle Alliot-Marie]]
 
Em 26 de setembro de 2009 e 22 de maio de 2010, ativistas da causa palestina se reuniram em um hipermercado {{w|Carrefour}} perto de {{w|Mulhouse}}. Carregando camisetas com dizeres "Palestina viverá" e "boicote Israel", eles distribuíram panfletos alegando que "comprar produtos importados de Israel é legitimar os crimes em {{w|Gaza}}, é aprovar a política adotada por Israel". Ao pedir um boicote ao produto importado de Israel, os ativistas foram condenados por "incitar a discriminação econômica contra as pessoas por causa de sua nacionalidade".
 
O Tribunal de Apelação julgou os réus em 2013 e ordenou que eles pagassem uma multa de mil euros e outros mil euros por danos não pecuniários a quatro associações. Em 2015, o Tribunal de Cassação confirmou esta condenação argumentando que essas ações eram "uma provocação à discriminação, ódio ou violência".
 
Uma ordem emitida em 2010 por {{w|Michèle Alliot-Marie}}, membra do {{w|Parlamento Europeu}}, pedia para processar toda tentativa de boicote a produtos israelenses. Os processos se multiplicaram desde então. Hoje, o julgamento do CECH cancela definitivamente esse julgamento e também essa ordem.
 
{{Opine}}
[[Categoria:Palestina]]
[[Categoria:Alemanha]]
[[Categoria:Parlamento Europeu]]
[[Categoria:Organização das Nações Unidas]]