Entrevista com Tsikhanouskaya, líder da oposição bielorrussa

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

1 de setembro de 2020

Em uma entrevista à agência Voz da Ámerica (VOA), a líder da oposição bielorrussa Svetlana Tikhanovskaya parece ter rejeitado a assistência ocidental no conflito político ocorrido na Bielorrússia.

“O povo da Bielorrússia é responsável pelo que está acontecendo. Achamos que temos que resolver esse problema por conta própria”, disse ela.

Entrevista

Aqui está uma transcrição de sua entrevista com Henry Ridgewell, correspondente da VOA. Ela foi resumida e editada para maior clareza.

Wikinews waves Left.svgVOAWikinews waves Right.svg: Você acha que em 9 de agosto derrotou Aleksandr Lukashenko e que a maioria das pessoas na Bielorrússia votou em você? Que evidências você pode fornecer para sua liderança?

Wikinews waves Left.svgSvetlanaWikinews waves Right.svg: Todas as pessoas que vão às ruas são a prova de que Lukashenko não ganhou, assim como todas as pessoas que compareceram às assembleias de voto para votar.

Wikinews waves Left.svgVOAWikinews waves Right.svg: Alguns dizem que você não tem nenhum plano ou estratégia. Se são, o que são?

Wikinews waves Left.svgSvetlanaWikinews waves Right.svg: Nosso plano é absolutamente claro. Realização de novas eleições, justas e transparentes.

Wikinews waves Left.svgVOAWikinews waves Right.svg: Você acha que Lukashenko deveria ter permissão para participar das novas eleições presidenciais?

Wikinews waves Left.svgSvetlanaWikinews waves Right.svg: Não. Como nossas eleições serão absolutamente livres, claras e transparentes, todos têm o direito de participar dessas eleições. Como Lukashenko é um cidadão de nosso país, ele pode. Mas se ele tem o direito moral de participar, essa é uma grande questão.

Wikinews waves Left.svgVOAWikinews waves Right.svg: Seus compatriotas estão protestando contra as ações nas ruas de cidades bielorrussas. Você está em Vilnius, Lituânia. Por que você saiu do país?

Wikinews waves Left.svgSvetlanaWikinews waves Right.svg: Eu tinha sérias razões para tal. Agora não posso falar sobre isso. Talvez um dia conte toda essa história, mas agora não posso comentar.

Wikinews waves Left.svgVOAWikinews waves Right.svg: Você foi pressionada ou ameaçada?

Wikinews waves Left.svgSvetlanaWikinews waves Right.svg: Desculpe, não posso comentar.

Wikinews waves Left.svgVOAWikinews waves Right.svg: Se em maio você soubesse o que sabe agora, você faria de novo?

Wikinews waves Left.svgSvetlanaWikinews waves Right.svg: Eu penso muito sobre isso e, é claro, experimentei muito estresse durante esta campanha eleitoral. Muitas vezes eu estava pronto para recuar porque não tinha certeza se tinha forças para continuar. Mas agora vejo que isso é muito importante para o povo bielorrusso. Este ano é extremamente importante para a história da Bielorrússia: finalmente acordamos e estamos prontos para lutar pelos nossos direitos. Então, acho que sim, faria de novo.

Wikinews waves Left.svgVOAWikinews waves Right.svg: A Rússia ou alguns países ocidentais devem se envolver nas negociações entre você, o Conselho de Coordenação e Lukashenko?

Wikinews waves Left.svgSvetlanaWikinews waves Right.svg: Devo admitir que esta crise política que está ocorrendo em nosso país é um assunto absolutamente interno. E nós, o povo da Bielorrússia, somos responsáveis ​​pelo que está acontecendo. Acreditamos que devemos resolver esse problema por conta própria. Mas se isso acontecer, então um dia precisaremos de ajuda de outros países, de ajuda na organização, talvez de mediação nessas negociações.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com